Cesta básica: preço médio chega a 56,5% do salário mínimo

Cálculo do Dieese se refere a valor médio para setembro entre as 17 capitais pesquisadas. Veja os produtos que subiram em mais lugares

Controle
Seus Gastos
Por Redacao PAN

 

Para comprar uma cesta básica em setembro de 2021, trabalhadores que recebem o salário mínimo tiveram que gastar 56,53% dos seus ganhos líquidos, depois do desconto da contribuição para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Em agosto, esse percentual era de 55,93%.

A constatação foi feita pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), na divulgação mensal da pesquisa da cesta básica, feita nesta quarta-feira (6). O levantamento de preços é feito em 17 capitais do país.

O salário mínimo atual é de R$ 1.100. Quem ganha esse valor recebe, de fato, R$ 1.017,50, depois do desconto de 7,5% referente ao INSS.  

Em setembro, a cesta mais cara foi constatada em São Paulo: R$ 673,45. Esse valor representa 66,19% do mínimo. Em agosto, a cesta básica mais cara estava em Porto Alegre (R$ 664,67), o que equivalia a 65,32% do piso nacional.

Veja qual o valor da cesta básica em cada capital em setembro e quanto ele representou em relação ao salário mínimo líquido, de acordo com o Dieese:

  • São Paulo: R$ 673,45 (66,19%)

  • Porto Alegre: R$ 672,39 (66,08%) 

  • Florianópolis: R$ 662,85 (65,14%) 

  • Rio de Janeiro: R$ 643,06 (63,20%)

  • Vitória: R$ 633,03 (62,21%)

  • Campo Grande: R$ 630,83 (62%) 

  • Brasília: R$ 617,65 (60,7%) 

  • Curitiba: R$ 610,85 (60,03%) 

  • Belo Horizonte: R$ 582,61 (57,26%) 

  • Goiânia: R$ 574,08 (56,42%)

  • Fortaleza: R$ 552,09 (54,26%)

  • Belém: R$ 532,56 (52,34%)

  • Natal: R$ 493,29 (48,48%)

  • Recife: R$ 489,40 (48,1%) 

  • Salvador: R$ 478,86 (47,06%)

  • João Pessoa: R$ 476,63 (46,84%)

  • Aracaju: R$ 454,03 (44,62%) 

Em setembro, quem ganha um salário mínimo teve que trabalhar 115 horas para adquirir os produtos da cesta pesquisada pelo Dieese. É mais do que as 113 horas e 49 minutos constatadas em agosto.

Cesta básica subiu em 11 capitais
Foto mostra as mãos de uma pessoa segurando um tíquete de supermercado

O valor da cesta básica subiu em 11 das 17 capitais analisadas pelo Dieese. Brasília foi a cidade que registrou maior aumento da cesta básica em relação ao mês anterior: 3,88%. Depois, vieram São Paulo e Campo Grande, com a mesma variação: 3,53%. 

As 6 cidades que tiveram redução desse valor em setembro foram: Natal, João Pessoa, Aracaju, Salvador, Fortaleza e Recife. 

No entanto, em relação a setembro do ano passado, o preço desse conjunto de alimentos subiu em todas as cidades. Veja a variação desse valor no acumulado dos últimos 12 meses: 

  • Brasília:  38,56%

  • Campo Grande:  28,01%

  • Porto Alegre:  21,62%  

  • São Paulo:  19,54%

  • Belo Horizonte:  18,51%

  • Vitória:  17,37%

  • Natal: 16,81%

  • Curitiba:  16,52%

  • Belém: 15,97%

  • Rio de Janeiro: 14,07%

  • Florianópolis:  13,81%

  • Fortaleza: 13,66%

  • Goiânia:  12,45%

  • João Pessoa: 10,32%

  • Aracaju: 6,30%

  • Recife: 5,40%

  • Salvador: 4,25%

Os números acima mostram que apenas 3 capitais estão com a variação do valor da cesta básica abaixo da inflação do mesmo período medida pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

Nos 12 meses terminados em agosto, que é o último dado disponível até o momento, o acumulado do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) medido pelo IBGE é de 9,68%. 

Açúcar, café, óleo e pão francês aumentaram em mais cidades
Padeiro usando máscara tira uma bandeja de pão francês do forno com várias unidades do produto

Os dados do Dieese mostram que açúcar e café voltaram a ser os principais “vilões” da cesta básica, com aumentos de preços na maior parte das cidades pesquisadas. 

Esses itens foram acompanhados pelo óleo de soja e pão francês, que também contribuíram para consumir grande parte da renda de quem ganha até 1 salário mínimo (R$ 1.100)

Veja abaixo as variações de preços de diversos itens medidos pelo Dieese nas capitais brasileiras que fazem parte da pesquisa e entenda também o motivo dessas oscilações de valor:

Açúcar (kg): aumento em todas as capitais. Os maiores aumentos ocorreram em Belo Horizonte (11,96%), Vitória (11,00%), Brasília (9,58%), Goiânia (9,15%) e Campo Grande (7,94%). 

O principal motivo do aumento foi a oferta restrita de cana-de-açúcar, por causa do clima seco e da falta de chuvas. 

Café em pó (kg): subiu em 16 capitais, com destaque para as variações de Goiânia (15,69%), Campo Grande (14,79%), Brasília (10,03%) e Natal (9,00%). 

A valorização do dólar em relação ao real, os problemas causados pelo clima (geada no final de julho e tempo seco) e maior demanda interna e externa pelo grão são as causas do aumento do custo do grão. 

Óleo de soja: alta em 15 das 17 capitais, entre agosto e setembro. Esses aumentos oscilaram de 0,37% em Salvador a 3,40% em Campo Grande.  

Motivo, segundo análise do Dieese: o volume de exportação cresceu, em especial para a China. Com o problema de escoamento de grãos nos Estados Unidos, a demanda internacional esteve voltada para a soja brasileira. Também houve maior procura do óleo para a produção de biodiesel. 

Pão francês (kg): subiu em 14 capitais, com variações de 0,14%, no Rio de Janeiro, a 2,53%, em Brasília. 

Além do aumento de custos, como o da energia elétrica, o trigo importado ficou mais caro com a valorização do dólar em relação ao real. 

Leite integral (litro): aumento em 11 capitais. As maiores altas foram observadas em João Pessoa (2,55%), Fortaleza (2,45%) e Belém (2,19%).  A menor qualidade das pastagens, as altas nos custos de produção e a forte competição das indústrias por matéria-prima explicam a baixa oferta de leite no campo e a alta dos derivados no varejo. 

Carne bovina de primeira (kg): aumentou em 11 capitais. As maiores altas foram em Vitória (4,64%), Campo Grande (3,19%), Brasília (2,25%) e Natal (2,17%). Já as maiores reduções foram nas capitais do Sul: Florianópolis (-2,28%), Curitiba (-0,95%) e Porto Alegre (-0,79%). 

Apesar da suspensão da exportação da carne para a China e da menor demanda interna, consequência dos altos preços no varejo, as cotações seguiram elevadas na maior parte das cidades, devido às condições ruins das pastagens, ao clima seco e aos altos custos de produção.

Mas outros produtos tiveram redução de preço entre agosto e setembro na maior parte das cidades, de acordo com a pesquisa do Dieese. Os destaques são:

Feijão: recuou em 13 capitais. O tipo carioquinha, pesquisado no Norte, Nordeste, Centro-Oeste, em Belo Horizonte e São Paulo, registrou queda em 9 capitais, oscilando entre -1,88, em Belém, e -0,24%, em Recife. As altas ocorreram em João Pessoa (0,87%), Natal (0,39%) e Salvador (0,12%). 

Já o custo do feijão preto, pesquisado nas capitais do Sul, em Vitória e no Rio de Janeiro, não variou em Florianópolis e diminuiu em Curitiba (-1,93%), Vitória (-1,22%), Porto Alegre (-1,05%) e Rio de Janeiro (-0,59%). 

Arroz (kg): recuou em 10 capitais, sendo que as quedas variaram de -5,79% em Porto Alegre a  -0,44%, em Curitiba. As maiores altas foram registradas em Aracaju (3,82%) e Vitória (3,04%). 

A demanda interna, tanto do setor atacadista como do varejista, está fraca, consequência dos altos preços e da queda no poder de compra da população.

É por essas e outras que pesquisas indicam que os consumidores pretendem seguir com compras online e redução de gastos após a pandemia. Veja aqui 7 dicas para economizar nessas compras