Como funciona o Cheque Especial?

Zero
Dívida
Por Paulo Gregorin

O cheque Especial é um crédito pré-aprovado que fica disponível automaticamente na sua conta. Na prática, isto significa que você tem o seu saldo na conta e, além dele, você tem um limite a mais que pode usar quando bem entender.

Por exemplo, imagine que você abriu hoje a sua conta num banco e depositou R$ 300,00 nela. Imagine também que esse banco deu a você R$ 200,00 de limite de cheque especial. Então, você pode usar os seus R$ 300,00 mais os R$ 200,00 do cheque especial, totalizando R$ 500,00.

Mas cuidado: sempre que usar o cheque especial, você vai pagar juros — e são juros altos. Por isso, você só deve contar com esse dinheiro para emergências. Por exemplo, quando um boleto vence um dia antes de você receber o salário e você não tem dinheiro na conta. Aí, sim, o cheque especial é uma boa opção porque você sabe que vai conseguir cobrir o saldo negativo rapidamente.

Afinal, você não vai querer ficar no negativo, pagando juros altos, vai?

A grande vantagem de ter o cheque especial é poder usá-lo sem depender de ninguém. Mas é aquilo: tem de tomar cuidado para usar o cheque especial apenas em emergências. Porque a taxa média de juros no Brasil, segundo o Procon, é de 13,45% ao mês segundo dados do Procon divulgados pelo portal UOL.

Para entender isso na prática, imagine que a Juliana teve um probleminha neste mês e ficou sem dinheiro.

Ela, então, sacou hoje cedo R$ 50,00 do cheque especial. Por isso, ela já vai pagar 0,38% de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) só por ter sacado aquele valor. Então, ela vai pagar R$ 0,19 de IOF apenas por ter feito o saque. Além disso, ela vai pagar mais 0,0008% (ou seja, R$ 0,04) também de IOF por ter ficado no negativo por naquele dia.

Suponha que amanhã ela pague uma conta de R$ 100,00 usando também o cheque especial. Ela vai pagar de novo os 0,38% (R$ 0,38) por ter feito mais um saque. E vai pagar também os 0,0008% de IOF porque está com saldo negativo naquele segundo dia. Só que agora esse IOF é sobre os R$ 150,00 que ela sacou no total dos dois dias. Então, desse imposto, lá se vão mais R$ 0,12.

Tem um detalhe muito importante nesta conta. Até aqui, só estamos falando de IOF. Não estamos falando ainda da conta mais pesada, que são os juros, que, conforme citamos, são de mais ou menos 13,45% ao mês. Para simplificar a conta, se a Juliana não depositar nem sacar mais nenhum centavo por 30 dias, ela certamente vai pagar mais de R$ 20,00 de juros mais encargos quando virar o mês.

Ou seja, o buraco que estava em R$ 150,00 agora estará em R$ 170,00 na virada do mês. Isto significa que, a partir dali, toda a conta será calculada com base no negativo de R$ 170,00. Conclusão: o cheque especial vira uma bola de neve. Se a Juliana não se cuidar, ela vai perder o controle e se afundar nessa dívida.

O que seria o certo para a Juliana fazer?

Ela deveria ter tapado o buraco do cheque especial logo depois de ter sacado os R$ 150,00. Porque, assim, ela pagaria poucos juros e encargos. E teria o cheque especial disponível para novas emergências, se elas surgirem.

Percebe que é para isso que existe o cheque especial?

O cheque especial é um excelente quebra-galho para quem tem controle das contas e consegue repor o dinheiro que usa. Ajuda a não criar problemas pontuais, como deixar de pagar uma conta de telefone e ter a linha cortada, por exemplo.

Como ter o cheque especial?

Os bancos normalmente oferecem o cheque especial aos seus clientes depois de fazer uma análise de crédito. No Banco PAN, por exemplo, essa análise é toda feita por computadores, que avaliam automaticamente o CPF dos clientes e o histórico não apenas no PAN, mas em SPC, Serasa e instituições desse tipo. Com isso, define o limite do Cheque Especial.

No caso do Banco PAN, a abertura de conta, que pode ter o Cheque Especial vinculado, é bastante simples. Você baixa o aplicativo PAN e preenche o formulário com seus dados. Por uma questão de segurança do cliente, algumas verificações são feitas, como tirar uma selfie para o Banco PAN ter certeza de que é você quem está abrindo a conta. Isso protege você de fraudes.

Pronto: com isso, a conta é criada e o Cheque Especial, depois de feita a análise, é automaticamente vinculado à sua conta conforme o seu perfil. Com uma vantagem: se o limite que o Banco PAN oferecer a você parecer muito alto, você pode baixá-lo por conta própria. É só entrar no aplicativo e, com o dedo, deslizar a barra, alterando o limite do Cheque Especial para mais ou para menos — até o limite aprovado.

[Print do aplicativo]

Pronto: agora é só usar a conta e aproveitar o Cheque Especial para evitar lidar melhor com aqueles problemas pontuais. Simples, não?

Como cobrir o cheque especial?

A primeira lição que você deve ter em mente é usar o cheque especial pontualmente. Ou seja, se entrar nele, procure sair o mais rápido possível.

E se as contas apertarem e não for possível sair do vermelho? Afinal, de vez em quando a gente tem certos perrengues financeiros. Pode acontecer com qualquer pessoa, não é mesmo?

Bem, se surgir a necessidade de tapar um buraco financeiro, não use o cheque especial para essa finalidade. Um empréstimo de longo prazo, como o Crédito Pessoal do Banco PAN, tem taxa de juros muito menores. Para aposentados, pensionistas e servidores, fazer um Empréstimo consignado é uma saída ainda melhor, pois os juros são bem baixos.

Esses tipos de empréstimo oferecem uma vantagem adicional. Com eles, você já sabe qual o valor das parcelas mensais, a data de pagamento e as taxas antes da contratação. Você fica com a situação toda sob controle e não entra numa bola de neve.

Comentários

0 comentários