Como sair do vermelho

Zero
Dívida
Por Rodrigo Chiodi
Quem tem dívidas precisa de um plano para se livrar delas. Se esse for seu caso, saiba que você não é a única pessoa no País nessa situação.

Mais de 61 milhões de brasileiros estavam com o nome negativado
em dezembro de 2019, pouco antes da pandemia do coronavírus, que faria esse número crescer ainda mais.

Isto não muda o fato, porém, de que você precisa sair do vermelho. Listamos, então, cinco passos para você seguir. Comece pelo passo 1, depois siga para o 2 e assim por diante.
 

1. Reduza as despesas

O primeiro passo é cortar as despesas. Para isso, você precisa saber claramente quais são elas. Você vai precisar ter as despesas por escrito. Pode ser numa planilha no computador ou no papel — como você preferir.

O importante é que você liste todas (absolutamente todas) as despesas dos últimos dois meses: prestação da casa, conta de luz, cafezinho na padaria, cada item da lista no supermercado, presente para a família. Tudo mesmo!

Agora é hora de cortar tudo o que for desnecessário. Você vai fazer não uma previsão, mas uma projeção de quanto vai gastar nos próximos meses.

Benjamin Franklin, um dos líderes da Revolução Americana e cientista famoso por, entre outras coisas, ter inventado o para-raios mais de 200 anos atrás, disse uma vez uma frase que agora serve para você. "Cuidado com as pequenas despesas. Um pequeno vazamento afundará um grande navio", alertou ele.

2. Negocie as dívidas

Além de reduzir as despesas, você precisa parar de pagar juros, caso esteja no cheque especial, com cartão de crédito atrasado ou com qualquer outra conta vencida que gere cobrança de juros. Nesses casos, busque um empréstimo com juros mais baixos, como um crédito pessoal. A diferença de juros é normalmente muito grande.

A pior opção nessas horas é fugir do problema e deixar a dívida se arrastar. Quanto mais o tempo passa, pior, porque os juros vão correndo e a dívida vai ganhando o efeito "bola de neve".

Dialogar e renegociar é sempre a melhor saída para manter o problema sob controle por duas razões. Primeiro porque você vai pagar menos juros. Segundo porque, com a situação sob controle, você vai ter mais tranquilidade para tomar as decisões que vão tirar você do vermelho.
 
Este ensinamento não vem de hoje. No século retrasado, Phineas Taylor Barnum se tornou um dos empresários mais famosos dos Estados Unidos por ter fundado dois grandes circos que rodaram o país numa época em que nem mesmo rádio e televisão existiam. Em um de seus muitos livros, chamado "A Arte de Ganhar Dinheiro", Barnum escreveu a seguinte frase: "O dinheiro é, de certa forma, como o fogo. É um excelente servo, mas um terrível mestre". Ou seja, se você quiser, você controla o dinheiro. Mas se bobear, ele domina você.

3. Equilibre as contas

“Muitas pessoas gastam o dinheiro que não tem para comprar coisas das quais não precisam para impressionar pessoas de quem não gostam”. A versão mais antiga dessa frase foi dita em 1928 pelo humorista Robert Quillen, e mais recentemente foi reciclada pelo ator Will Smith. E ela é a pura verdade.

Sabe-se lá por quê, metade das pessoas simplesmente não tem controle financeiro. E “metade”, no caso, não é força de expressão. Uma pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas mostrou em 2018 que 48% dos brasileiros não sabem quanto ganham e quanto gastam.

Você não pode fazer parte dessa metade. Precisa fazer parte da outra metade, que tem consciência das próprias contas.
Então, depois de cortar despesas e controlar os juros que você paga (passos 1 e 2), você deve começar a fazer o seu controle financeiro de maneira, digamos, mais formal. Isso pode ser feito no papel, numa planilha de computador ou num aplicativo de celular. Se a terceira opção for a sua preferida, encontramos três apps:

·  Mobilis (para Android e iOS);
·  Organizze (para Android e iOS);
·  Spendee (para Android e iOS).

Vale a pena buscar por mais apps porque existem dezenas parecidos com estes três.

4. Aumente a receita

Cortar despesas são sempre a opção mais imediata porque você tem controle sobre elas. Não é como trocar de emprego ou conseguir um dinheiro extra, que depende de fatores externos e até de um pouco de sorte.

Nada impede você de buscar um dinheiro extra para a conta ficar positiva. Isso vai ajudar você a sair mais rapidamente do vermelho.

Para isso, existem algumas opções. Você pode usar o tempo extra para uma segunda atividade, como trabalhar como motorista de aplicativo, iniciar um negócio pela internet, vender cursos online, planejar uma nova empresa ou qualquer outra ideia que esteja na sua cabeça.

Você pode, ainda, focar numa promoção em seu trabalho, fazendo cursos e se envolvendo em atividades que aumentem sua chance de efetivação.

Qual o prazo para você conseguir ter sucesso, só o tempo vai dizer. Mas é preciso começar em algum momento. Por que não agora? Afinal, como diz um antigo provérbio chinês, “uma jornada de mil quilômetros começa com um simples passo”.

5. Economize e invista

No momento em que sair do vermelho, será importante você ter cuidado para não voltar para ele. O controle financeiro vai ajudar bastante nesse aspecto.

Será, então, a hora de começar a pensar em aplicar o dinheiro de forma inteligente e de acordo com o seu perfil.
Algumas pessoas são mais conservadoras e preferem investimentos com mais segurança, como CDB, LCA e outras modalidades de baixo risco. Ou seja, o rendimento do dinheiro é relativamente baixo, mas, em compensação, elas não correm o risco de perder o dinheiro investido.

Outras pessoas são mais ousadas e gostam de correr o risco de perder o valor investido para terem a chance de verem o seu dinheiro render mais. Para elas, um exemplo de investimento cada vez mais popular no Brasil são a Bolsa de Valores.

Seja qual for o seu perfil, lembre-se de uma frase de Warren Buffet, considerado um dos maiores investidores de todos os tempos: “a regra número 1 é: nunca perca dinheiro. A regra número 2 é: não esqueça a regra número 1”.