Conheça o Sebrae Delas, programa de apoio ao empreendedorismo feminino

Iniciativa gratuita oferece cursos e consultoria a mulheres que lideram negócios, para aumentar sua possibilidade de sucesso

Renda
Extra
Por Rodrigo Chiodi

Um programa de aceleração voltado exclusivamente para o empreendedorismo feminino. O Sebrae Delas surgiu para aumentar a probabilidade de sucesso de ideias e negócios liderados por mulheres.

Para isso, oferece uma formação empreendedora com cursos, workshops e consultorias para mulheres, além de ampliar sua rede de relacionamentos profissionais e a atuação em rede para dividir desafios e compartilhar soluções. O melhor: é tudo gratuito.

Entre 2019 e 2020, mais de 10 mil donas de pequenos negócios de todas as partes do Brasil integraram o programa. Neste artigo, você vai conhecer mais sobre o Sebrae Delas e sobre os desafios enfrentados por mulheres que empreendem.   

O empreendedorismo feminino no Brasil 

A última Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio Contínua (PNAD), realizada pelo IBGE, indica que cerca de 9,3 milhões de brasileiras são donas do próprio negócio no país. 

Em 2018, elas representavam 34% do total de empreendedores, porcentagem que coloca o Brasil em  7º no ranking de empreendedorismo feminino mundial.

Esses dados são da principal pesquisa sobre empreendedorismo do mundo, a Global Entrepreneurship Monitor (GEM), que compara dados de 49 países. 

Apesar do número expressivo, as mulheres líderes de negócios enfrentam desafios importantes ao lidar com seus negócios, especialmente acentuados em 2020. 

Os desafios das mulheres empreendedoras

Mulher com avental apoiada em uma bancada sorri; atrás dela, um forno de pães e um carrinho com pães esfriando; ao lado dela, na bancada, há uma cesta com pães

Segundo os relatórios do Sebrae e do GEM, há alguns desafios históricos que envolvem os negócios conduzidos por mulheres no Brasil. Os principais são a dificuldade de prosperar e a baixa variedade dos tipos de empreendimentos. 

Apesar de as mulheres criarem empresas quase na mesma proporção do que homens, a Taxa de Empreendimentos Estabelecidos (TEE) – com mais de 42 meses de atuação – é bem menor para elas: 14,3% contra 19,6%.

Além disso, as mulheres estão à frente de negócios pouco diversificados, em segmentos de menor retorno financeiro e com menor capacidade de se tornarem internacionais e, por exemplo, exportarem seus produtos. 

Enquanto os empreendedores homens se concentram em pelo menos nove atividades econômicas diferentes, as empreendedoras brasileiras atuam principalmente em quatro atividades econômicas: serviços domésticos, cabeleireiros, comércio varejista de roupas e confecções. 

Quando se trata de acesso a crédito e linhas de financiamento, as empresárias também estão em desvantagem. Elas conseguem um valor médio de empréstimos de aproximadamente R$ 13 mil a menos do que a média liberada aos homens. 

Apesar de serem menos inadimplentes (apenas 3,7% contra 4,2% dos homens), pagam taxas mais altas de juros ao ano: 34,6% em média, contra 31,1% para eles. 

O empreendedorismo feminino na pandemia

Mulher de máscara sentada à frente de uma mesa mexe em um notebook com a mão direita e olha para o celular que está em sua mão esquerda

Os negócios liderados por mulheres foram os mais afetados pela pandemia do novo coronavírus. Segundo levantamento do Sebrae, houve uma redução de cerca de 1,3 milhão de mulheres à frente dos negócios em 2020, em comparação com o ano anterior. 

Outra pesquisa recente realizada pelo Instituto Rede Mulher Empreendedora entrevistou, entre setembro e outubro de 2020, 1.555 empreendedores para entender os impactos nos negócios durante a pandemia. 

Os resultados revelam que os negócios liderados por mulheres foram os mais impactados: 20% tiveram paralisação completa das atividades, em comparação a 17% das atividades lideradas por homens. 

Além disso, 20% das empreendedoras relataram dificuldade para organizar o tempo de trabalho e 17% enfrentaram dificuldade para conciliar trabalho e família. 

A saúde mental é outra preocupação e parece afetar especialmente o público feminino.  

Ansiosa e cansada foram as palavras mais citadas pelas entrevistadas para definir o próprio estado psicológico, enquanto os homens citaram principalmente as palavras confiante e tranquilo.

Apesar de a pandemia ter acelerado a digitalização dos negócios, apenas 34% das mulheres empreendedoras dizem estar muito confiantes com esse processo. No caso dos homens, o índice pula para 51%. 

Além disso, os empreendimentos de mulheres movimentam menos dinheiro. Metade dos negócios liderados por mulheres tem faturamento médio mensal de até R$ 2.500. No caso de empresas conduzidas por homens, 40% ficam nessa faixa de ganhos.

Características das mulheres empreendedoras 

Porém, a pesquisa também identificou que as mulheres demonstram maior interesse em diversificar e melhorar seus produtos e serviços, enquanto os homens se interessam mais por assuntos financeiros. 

As mulheres também se mostraram mais resilientes ou resistentes do que os homens (59% contra 49%) e com foco maior em gestão estratégica dos negócios (56% contra 49%). 

Para 88% das mulheres que participaram da pesquisa, o interesse em empreender se manteve ainda mais forte e 68% delas se consideram capazes de se adaptarem às mudanças, mesmo que drásticas. 

Elas também buscam mais por capacitação e cursos voltados ao aperfeiçoamento dos negócios. Entre as entrevistadas, 65% dizem já ter participado de alguma atividade desse tipo, contra 53% dos homens. 

Durante a pandemia, 90% das mulheres pesquisadas disseram que buscaram apoio e conhecimento para contornar os impactos negativos de seus negócios. 

Sebrae Delas ajuda a aumentar a capacitação 

Mulher sentada escreve em um caderno apoiada em uma mesa

É justamente para aumentar a profissionalização e a capacitação de empreendedoras e tornar o segmento mais sólido e competitivo que o Sebrae criou um programa voltado especialmente para mulheres. 

O projeto Sebrae Delas tem o objetivo de estimular mulheres a empreender, gerar negócios e transformar realidades. Suas estratégias são a disseminação da cultura empreendedora e o incentivo de práticas que auxiliam a tomada de decisão e a inteligência competitiva. 

O fortalecimento de uma rede de apoio ao empreendedorismo feminino é outra consequência de quem participa do programa, destinado a líderes de micro e pequenas empresas. 

Os eventos de aprendizado envolvem até 20 horas com instrutores (palestras, oficinas, cursos e workshops) e 20 horas de mentoria com consultores do Sebrae e convidados para cada empresa participante. 

Vale dizer que o projeto acontece em períodos determinados, por isso, é preciso ficar de olho no site para acompanhar as próximas datas de inscrição. O último edital de seleção ocorreu em março de 2021

As interessadas devem preencher uma ficha com dados pessoais e da empresa, além de responder algumas questões de múltipla escolha, que ajudarão os selecionadores a entender as empresas que são mais adequadas à proposta do Sebrae Delas. 

São 50 vagas disponíveis ao todo, 40 para Microempresas (ME) e 10 para Empresas de Pequeno Porte (EPP).