O que é o FGC?

Renda
Extra
Por Redacao PAN

Quando investimos algum dinheiro, esperamos resgatar bons rendimentos ao longo do tempo. Mas o que acontece com esse dinheiro se os bancos quebrarem?

Nessa hora, o FGC entra em ação para assegurar as economias aplicadas em instituições financeiras brasileiras. Nos parágrafos a seguir, descubra o que é, quais os títulos protegidos e como funciona o FGC.

Afinal, o que significa FGC?

FGC é a sigla para “Fundo Garantidor de Crédito”. É uma entidade que não tem lucro e existe para proteger o dinheiro de quem investe. Isso significa que, se o banco em que você investe o seu dinheiro decretar falência, os seus rendimentos estão assegurados pelo FGC.

Fundado em novembro de 1995, o valor de cobertura do FGC era de R$ 20 mil reais. Desde então, sofreu algumas alterações, passando para R$ 60 mil em 2006, R$ 70 mil em 2010 e finalmente R$ 250 mil em 2013.

Desde o mês de dezembro de 2017, uma nova resolução determina que o FGC cubra por CPF, por banco, R$ 1 milhão no máximo a cada período de quatro anos. Essa regra é válida para os investimentos aplicados depois da nova resolução.

Até o momento, o FGC já foi acionado 37 vezes. A última vez ocorreu no início do ano de 2020, quando o Banco Central decretou falência da Dacasa Financeira.

Quais os títulos protegidos pelo FGC

Os títulos protegidos pelo FGC são:

  • Saldo da conta corrente;

  • Saldo da conta poupança;

  • Letras de Câmbio (LC);

  • Letras Hipotecárias (LH);

  • Letras de Crédito Imobiliário (LCI);

  • Letras de Crédito do Agronegócio (LCA);

  • RDB (Recibo de Depósito Bancário);

  • CDB (Certificado de Depósito Bancário).

Como funciona o FGC

Quando o Banco Central decreta a liquidação ou intervenção de uma instituição financeira, como um banco, por exemplo, o FGC garante que quem tem dinheiro investidos receba o seu dinheiro de volta (inclusive com os juros) — desde que não ultrapasse o limite de R$ 250.000.

Ou seja, o FGC cobre o valor máximo de R$ 250.000 por CPF, por banco. Isso significa que o FGC pode cobrir R$ 250.000 em um ou mais bancos diferentes, mas não ultrapassa o valor máximo na mesma instituição.

Contas conjuntas têm dois CPFs cadastrados, mas a proteção do FGC não dobra de valor por conta disso. Pelo contrário, o valor máximo é dividido entre as duas pessoas físicas vinculadas à conta, então, o FGC garante até R$ 125.000 para cada CPF de uma conta conjunta.

Se acontecer de um usuário ter rendimentos maiores que R$ 250.000 em um único banco, algumas corretoras podem entrar em contato com os clientes e sugerem diversificar seus investimentos em outros bancos ou produtos.

Porém, analise você mesmo os seus rendimentos e, se algum deles ultrapassar o valor máximo protegido pelo FGC, busque aplicar esse valor em outros bancos. Mas atenção: preste atenção para que os bancos não façam parte do mesmo grupo de empresas.

Vale lembrar que o montante garantido pelo FGC é o valor aplicado nas instituições financeiras somado aos juros sobre essa aplicação até o dia em que o Banco Central decretar falência da instituição. Deste dia em diante, o seu dinheiro para de render.

Quanto tempo leva para receber?

Na última década, o Fundo Garantidor de Crédito demorou em média três meses para começar a devolver o dinheiro para as pessoas que têm direito. No entanto, cada caso pode ser avaliado individualmente e esse período pode variar.

Por fim, cabe ressaltar que não há nenhum custo ou taxa de serviço para o FGC devolver o dinheiro assegurado. Além disso, para otimizar solicitações e pagamentos, o FGC lançou recentemente um aplicativo para smartphones.

Para mais informações, acesse o site oficial do FGC disponível em www.fgc.org.br.