O que vale mais a pena: ter carro ou andar de Uber?

Controle
Seus Gastos
Por Redacao PAN

Se você pensar somente no lado financeiro, deixar de ter seu próprio veículo para ficar se deslocando apenas por carro por aplicativo vale a pena, sim. Tanto é que, quatro anos atrás, algumas reportagens — como esta, do site G1 — já mostravam pessoas que pensavam em fazer essa troca.

Você, aliás, provavelmente conhece alguém que já desistiu de ter um automóvel na garagem porque fez as contas e concluiu que pedir carro pelo celular vale mais a pena.

Na realidade, existem vantagens materiais e psicológicas dos dois lados:

  • As vantagens de ter carro são a comodidade e também o fato de você conseguir capitalizar alguma parte do dinheiro investido. Ou seja, ainda que o valor do carro se deprecie (todo mês, ele vale um pouco menos), o fato é que, no final das contas, você ainda tem um patrimônio.

  • As vantagens de andar de Uber ou outro aplicativo são o custo, geralmente mais baixo, como você vai ver na sequência deste post. Além disso, você fica livre de ter de administrar um carro, como fazer manutenção, revisões, troca de óleo, de pneus e outras coisas que tomam tempo. Além disso, você ainda colabora para uma cidade com menos carros. E isto significa menos trânsito e menos poluição.

Base de cálculo

Mas, afinal, de quanto é a economia? E como fazer as contas?

Não tem muito segredo: você precisa calcular quanto custam as duas opções para a sua vida especificamente.

Vamos começar pelo mais simples, que é o app. A própria Uber permite que você faça uma simulação de quanto você gasta por mês. É uma página no site da empresa chamada de “Calculadora de Preço”.

Basta você colocar os endereços de origem e de destino que o site informa o preço que você vai pagar pela corrida.

Já o cálculo do carro é mais complexo porque tem muitos itens que você precisa considerar. Mas um jeito fácil de organizar esses itens é dividi-los em dois grupos:

  • Custos fixos, que, como o nome sugere, são aqueles que não variam ao longo do ano. Por exemplo, IPVA, DPVAT, licenciamento, depreciação do valor do carro, vistoria e outros.

  • Custos variáveis, que são aqueles que podem mudar conforme o seu uso e até conforme a inflação ou um reajuste de preço. Ou, ainda, alguns que podem ou não aparecer ao longo do ano. Por exemplo: combustível, seguro, estacionamento, multas, manutenção, revisão, pequenos reparos, troca de pneus, pedágio, estacionamento, lavagem e outros.

Pode, ainda, aparecer mais um item se você tiver comprado o carro com financiamento, que é a parcela que você paga ao banco. Na média geral do mercado, essa taxa é de 1,78% ao mês. Ela, na verdade, pode variar de 0,79% a 2,40%.

Simulação

Para ter uma ideia de como seria isso na vida real, vamos imaginar que uma pessoa esteja na dúvida entre ter um carro popular, mais simples, com motor 1.0 (que gasta menos combustível) ou andar somente por aplicativo. Como seria essa conta?

Para facilitar, vamos considerar que essa pessoa more em São Paulo, a 10 km do trabalho, e que ela vá e volte todos os dias do trabalho para casa por esse mesmo trajeto.

Considere que o carro consuma em média 12 km por litro e que essa conta sirva para 30 dias por mês porque essa pessoa vai sair também nos fins de semana para visitar a família, ir ao supermercado, fazer atividades de lazer e outras coisas. Então, são 30 dias por mês rodando 20 km todos os dias — totalizando 600 km por mês.

1. Quanto custa o Uber?

A conta é muito simples: basta entrar na Calculadora de Preços e fazer uma simulação. É claro que o valor desse tipo de aplicativo é dinâmico. Pode ter um preço muito mais alto em horários de pico.

Na categoria Uber X, que é a mais econômica sem precisar compartilhar o carro com mais ninguém, o preço para deslocamento de 10 km é aproximadamente R$ 22. Considerando ida e volta, são R$ 44.

 

O site Organizze fez uma conta e chegou à conclusão de que 20 km por dia custam R$ 47. Não ficou longe do valor da nossa simulação. Vamos, então, ficar com os nossos R$ 44.

Sendo assim, andar de Uber custa R$ 1.320 por mês.

2. Quanto custa ter um carro?

Para simplificar, vamos considerar que você comprou um carro popular à vista, com custo aproximado de R$ 48.000, e que vai rodar exatamente os mesmos 600 km por mês.

Os custos mensais aproximados, segundo o Meu Carro, do UOL, e a Omnicar são:

  • Fixos:

    • IPVA: R$ 160

    • Licenciamento e DPVAT: R$ 8

    • Depreciação (12,5%): R$ 495

  • Variáveis:

    • Gasolina: R$ 231 (o preço médio da gasolina em SP é de R$ 4,62 segundo o jornal Agora. Como são 600 km, serão necessários 50 litros de gasolina, já que o carro anda 12 km com cada litro)

    • Seguro: R$ 115

    • Estacionamento: R$ 400

    • Revisão: R$ 35

    • Lavagens (2 por mês): R$ 80

    • Reparos, multas e outras eventualidades: R$ 150

  • Total: R$ 1.674 por mês.

Lembre que, se você for fazer o financiamento do carro pagando juros, esse valor vai subir um pouco.

Por outro lado, considere que esses valores não são fixos nem exatos. Podem variar tanto no Uber quanto nas contas do carro. O próprio Omnicar fez o mesmo cálculo e chegou a um valor de R$ 1.410 — 8% menor do que o nosso cálculo.

Seja como for, a conclusão costuma ser a mesma: andar de carro por aplicativo tende a ser mais barato.

Agora é uma questão de você fazer as contas para a sua realidade e ver o que vale mais a pena no seu caso em particular.