OPINIÃO: Cartão de crédito: como torná-lo um aliado?

Por Redacao PAN

02_Mobile_Cartao_Credito_10_11.png

O endividamento no Brasil bateu recorde em setembro, representando o maior índice desde 2010. São 12 milhões de pessoas endividadas, ou seja, 74% das famílias possuem algum tipo de dívida, incluindo cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, cartões de lojas, crédito consignado, empréstimo pessoal ou prestação de carro e da casa própria. Os dados são da Confederação Nacional do Comércio (CNC). 

Somente no segundo trimestre deste ano, cresceu em 52% do uso do cartão de crédito como meio de pagamento e isso contribuiu muito para a elevação dos dados de endividamento.

Neste período de pandemia, o aumento do uso do cartão de crédito se justificou, sobretudo pelo aumento das compras online, mas ele também tem sido utilizado para “fechar as contas” no final do mês. E é aí que mora o perigo.

Ao contrário do que a maioria dos profissionais de finanças falam, eu não considero o cartão de crédito um vilão. Vilões são as pessoas que não o utilizam da forma correta.

Entretanto, não acho justo simplesmente aconselhar às pessoas que não tenham cartão de crédito ou que não o usem.

Acredito no poder da educação para mudar as pessoas que vão transformar o mundo, como cita Paulo Freire, pois afinal de contas para ter uma boa relação com o dinheiro não é necessário ter muito dinheiro, e sim saber fazer bom uso dele, extraindo e aproveitando tudo o que os recursos possam proporcionar.

Assim, apresento as principais vantagens e desvantagens do uso do cartão de crédito, bem como as principais armadilhas para que você não caia nelas e tenha seu cartão de crédito sempre como seu grande ALIADO.

03_Mobile_Cartao_Credito_10_11.png 

 

 

Como visto, as vantagens são muitas em comparação à desvantagem, que é apenas uma, mas muito perigosa, e cujas consequências podem, sim, ser muitas.

Ninguém tem dúvida em relação à primeira vantagem. Utilizar o cartão de crédito é muito mais seguro do que andar com dinheiro na carteira, que pode ser facilmente perdido ou roubado. Logicamente, o cartão pode também ser roubado ou perdido, mas, se isto acontecer, você pode facilmente cancelá-lo, evitando qualquer prejuízo material, o que não ocorre com o dinheiro em espécie.

Só quem tem mais de 30 anos sabe exatamente como era ir ao setor de crediário das lojas. Você precisava de muito tempo e doses extras de paciência para ficar horas em uma fila esperando para que seu crediário fosse aprovado. 

Para isto, ainda era necessário apresentar uma infinita lista de documentos, comprovantes e algumas vezes um ou até dois fiadores.

Apesar de tudo isto, muitas vezes se passava pelo constrangimento de não ter o crédito aprovado por ter uma renda considerada baixa, por ter pouco tempo de carteira de trabalho assinada, por estar com o nome negativado ou por outro motivo qualquer.

O crediário era sempre um momento muito tenso! Só quem já viveu consegue entender exatamente o que significa hoje a praticidade de ter um cartão de crédito.

Na verdade, ainda existe em muitas lojas este setor para emitir o cartão próprio. Contudo, o processo é muito mais rápido e se passa por ele apenas uma vez, e não mais toda vez que uma compra é efetuada.

Além das vantagens citadas que são, principalmente psicológicas, há as vantagens financeiras. 

Seja para adquirir milhas, podendo trocar por passagens áreas, produtos ou serviços. Seja para participar dos programas de cashback (dinheiro de volta), no qual, priorizando o uso do cartão, você terá um percentual de dinheiro de volta ou para aumento do poder de compra que é a capacidade de poder comprar mesmo que você não tenha o dinheiro à vista para pagar. Esta é a modalidade parcelada do cartão de crédito, que, na prática, é a substituição dos carnês de lojas.

04_Mobile_Cartao_Credito_10_11.jpg

Eu sinceramente considero o aumento do poder de compra a vantagem mais importante do cartão de crédito, principalmente quando não se nasce nas condições perfeitas e se precisa fazer manobras no orçamento para prover o sustento diário ou para poder manter os estudos que é também um tipo de investimento.  

Contudo, é preciso alertar que a modalidade parcelada representa também o maior PERIGO, pois pode se transformar mais facilmente na desvantagem que é não saber utilizar o cartão de crédito de forma correta, caindo no endividamento crônico que pode virar uma bola de neve.

A premissa para que seu cartão de crédito seja seu aliado é você entender que ele é apenas um meio de pagamento. Ao realizar uma compra com o cartão significa que você está assumindo uma dívida.  Por isso, não se iluda: cartão de crédito é dinheiro.

O maior problema do uso do cartão é o agir com a emoção (leia meu artigo “Quem manda no seu dinheiro: a razão ou a emoção?”), comprando descontroladamente, deixando se iludir como se a fatura não fosse chegar ou não precisasse ser paga ou fosse paga por outra pessoa.

Então, para evitar que isto aconteça, tenha em mente que o cartão de crédito é um dinheiro de plástico. Aja racionalmente. Pense e avalie antes de comprar qualquer coisa. Pagar com cartão de crédito significa que o dinheiro está saindo do seu bolso do mesmo jeito.

Desta forma, mentalizando que o cartão é dinheiro e está saindo do seu bolso, faça o controle de cada real que você paga com o cartão. É primordial que antes de efetuar uma compra, você saiba qual será a parcela desta compra e já simule o valor total da fatura. O valor da sua fatura precisa caber no seu orçamento mensal. Caso contrário, você transformará seu cartão de crédito realmente em um vilão, pois entrará no crédito rotativo.

Você entra no crédito rotativo quando não paga o total de sua fatura. E este é sem dúvida alguma o maior motivo que faz o cartão de crédito ser considerado vilão. Os juros cobrados nesta modalidade podem chegar a mais de 300% ao ano e representam os juros mais altos do mundo!

Vou dar um exemplo: Se você deixar para trás R$ 1.000,00 (crédito rotativo) em 12 meses (um ano) este valor se transforma facilmente em R$ 3.000,00, ou seja, 3 vezes mais que o valor original.

Infelizmente, isto é muito fácil de ocorrer, pois culturalmente não temos o hábito de olhar a taxa de juros cobrada. Ainda assim, quando olhamos, os juros expressos na fatura do cartão de crédito são ao mês e aí quando transformados em ano percebe-se o absurdo que é.

Outro perigo que pode levar seu cartão a se tornar um vilão é ao comprar no parcelado não prestando a atenção que o parcelamento não foi feito pelo estabelecimento, e sim pela administradora do cartão. Neste caso, significa que em todas as parcelas incidirão juros.

Por isso, tenha muito cuidado com as propagandas, tipo: condição promocional parcelamento em 12 vezes.

Antes de parcelar, verifique. Nenhuma loja vai colocar no cartaz que o parcelamento é em 12 vezes com juros! A única maneira de saber disso é questionando. Então, você precisa perguntar: em quantas parcelas é possível fazer SEM juros?

Caso não seja possível parcelar sem juros, repense a compra, pois não é uma boa opção. Os juros para um parcelamento pela administradora do cartão variam em média de 1,5%  até 7% ao mês dependendo da quantidade de parcelas.

05_Mobile_Cartao_Credito_10_11.jpg

Enfim, para ter seu cartão de crédito como aliado você deve mudar sua mentalidade e a forma que você o usa. Você precisa ter em mente que ele é dinheiro!

Assim, aproveite os benefícios apresentados e fuja das armadilhas. Estou aqui para ajudar você. Juntos vamos lá e PAN!

Lembre-se de que ter uma vida financeira saudável requer um processo de DES-construção e RE-construção da visão que se tem do dinheiro. Dinheiro deve ser amigo, aliado e nunca inimigo.

Até o próximo artigo, que tratará detalhadamente de “Poder de compra”.

Dirlene Silva.

LinkedIn - Dirlene Silva

Instagram - @dirlene.economista

 

 

*Esse artigo é de autoria da colunista Dirlene Silva e não reflete necessariamente a opinião do Banco PAN.