6 a cada 10 brasileiros caíram em algum tipo de fraude financeira no último ano, diz pesquisa

Levantamento mostra que houve crescimento de 28% em relação ao último estudo, em 2019; saiba como evitar

Controle
Seus Gastos
Por Redacao PAN

Os golpes estão aí e pegando muita gente. Levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) Brasil mostrou que 6 a cada 10 consumidores sofreram algum tipo de fraude financeira nos últimos 12 meses.

Ao todo, 16,7 milhões de brasileiros foram lesados. O crescimento é de 28% em relação ao último levantamento, em 2019. O prejuízo total aos consumidores é de R$ 2,7 bilhões. 

Em relação ao gênero das vítimas, há um equilíbrio. A pesquisa, feita em parceria com o Sebrae e  divulgada em 24 de junho, mostra que 51% são mulheres e 49% são homens. 

Dos consumidores que foram vítimas de fraudes, a maioria pertence à classe C: 56%. Os outros 44% pertencem às classes A e B, somadas.

Quais as fraudes financeiras mais comuns

Uma mulher com blusa branca abre uma caixa de papelão e abre um dos braços franzindo a testa em sinal de descontentamento com a encomenda

 

Imagine pagar por um produto ou serviço e não recebê-lo. Pois é. Esta é 1 das 2 fraudes financeiras mais comuns de todas. Isso aconteceu com 41% dos consumidores que participaram do levantamento da CNC e do Sebrae. 

Outro problema que afetou 41% de quem respondeu à pesquisa foi a compra de algum produto ou serviço que veio diferente das informações fornecidas pelo vendedor . 

Veja abaixo o ranking das fraudes mais comuns de acordo com o estudo. Os consumidores podiam citar mais de uma, se tivessem sido vítimas de mais de um problema. 

  • Não receber por um produto/serviço comprado: 41%;

  • Aquisição de produtos/serviços que veio diferente das informações especificadas pelo vendedor: 41%;

  • Clonagem de cartão de crédito ou débito:  24%;

  • Golpes por meio de ligação, e-mail, SMS ou WhatsApp informando que a vítima tinha direito a receber um dinheiro, e para conseguir a quantia, deveria fornecer dados pessoais e bancários, além do pagamento de honorários: 17%;

  • Pagamento de falsa cobrança por meio de depósito, boleto falsificado ou adulterado: 15%.

  • Leia também: Pandemia faz compras online com cartões de crédito crescerem

Aumento das compras online faz fraudes crescerem

Uma explicação para o aumento das fraudes é o aumento das compras pela internet durante a pandemia, quando os consumidores tiveram que mudar seus hábitos para obedecer às medidas de isolamento social. 

O presidente da CNDL, José Cesar da Costa, afirmou no comunicado que a entidade fez sobre a pesquisa que é importante consumidores, empresas e poder público se unirem para levar mais segurança à população.

“Entendendo que o processo de digitalização dos serviços financeiros é irreversível, e que traz consigo um grande potencial econômico, o propósito do estudo é ensejar a conscientização dos consumidores e empresários, e mobilizar o debate público sobre o assunto”, disse Costa.

Dicas para não cair em golpes

Sabe aquela frase “O golpe está aí, cai quem quer”? Então, não é verdade nestes casos. Com o crescimento das compras online, há cada vez mais tipos de fraudes, muitas vezes bem feitas. Mas é possível evitar com alguns cuidados. 

Por exemplo: preste bastante atenção nos links em que você clica ou compartilha, pois eles podem ser falsos ou levar a páginas que induzem a deixar seus dados.

Outra medida é: não dê suas informações pessoais para desconhecidos. Se receber ligações, e-mails ou mensagens de alguém pedindo alguma informação, entre em contato com as empresas ou órgãos oficiais para tirar dúvidas. 

Veja nesse vídeo dos gêmeos Willow e Watson, do canal Pra Fazer Mais, do PAN, mais dicas de como evitar fraudes!