Veja como evitar golpes em entrega de comida

Em São Paulo, Procon teve 186% de aumento nas reclamações desse tipo de problema

Controle
Seus Gastos
Por Redacao PAN

O comércio online ganhou fôlego durante a pandemia por causa das medidas de isolamento social. O problema é que, da mesma forma que aumentaram as compras pela internet e houve um certo conforto com as entregas em casa, cresceram também os golpes. Principalmente relacionados a serviços de delivery de comida.

O Procon-SP, órgão que protege consumidores, registrou aumento de 186% nas reclamações sobre golpes aplicados por entregadores de aplicativos de comida no período de janeiro a maio deste ano. Houve um total de 249 reclamações em 2021. No mesmo intervalo de tempo de 2020, tinham sido apenas 87.

Nos relatos dos consumidores, eles contam que alguns entregadores têm cobrado  valores indevidos e que só percebem o golpe depois de esse dinheiro ser debitado da conta.

As vítimas dizem que reclamam com as empresas responsáveis pelas entregas, mas, apesar das reclamações, não conseguem recuperar o dinheiro roubado.

“Com a pandemia, esses golpes aumentaram muito. (…) As empresas de delivery devem responder pelos problemas e ressarcir o consumidor”, disse o diretor-executivo do Procon-SP, Fernando Capez, em comunicado à imprensa.

Saiba o que fazer para não cair em golpes

Imagem mostra duas mãos: uma de um entregador, segurando uma máquina de pagamento; a outra de um consumidor, segurando um cartão. Ambos usam luvas. Na imagem também dá para perceber que o entregador carrega ao menos duas caixas de papelão, que parecem de pizza

Para evitar esse tipo de situação, o próprio Procon-SP recomenda algumas medidas simples, mas importantes, para quando você faz pedidos por aplicativos de entrega.

Veja quais são elas:

  • Não fazer pagamento em máquina com o visor quebrado ou que não permita a leitura completa dos dados. Ou seja, cheque sempre o visor antes de fazer o pagamento;

  • Conferir o valor da compra e, de preferência, pagar somente no aplicativo;

  • Não passar os seus dados por telefone;

  • Desconfiar caso o entregador informe que é necessário pagar algum valor extra;

  • Caso tenha alguma dúvida, deve entrar em contato com o local onde pediu a comida.

No caso de pedidos por esse tipo de aplicativo, o Procon-SP recomenda que o consumidor procure, sempre que possível, fazer o pagamento na hora do pedido, de forma online. Dessa maneira, ele evita pagar na hora da entrega, que é o momento em que esse tipo de golpe é aplicado.

Além disso, o diretor do Procon-SP afirmou que o consumidor precisa “lembrar que não existe taxa de entrega ou outra taxa extra.” qualquer ocorrência deve ser comunicada à empresa.

Golpes já causaram perdas de ao menos R$ 500 mil

Imagem mostra uma nota de R$ 100, com foco no rosto que estampa a cédula

No total, os consumidores já reclamaram ao Procon-SP um valor de R$ 500 mil em golpes.

Relatos dos consumidores mostram várias formas que os criminosos usam para enganar as vítimas. Veja abaixo algumas das histórias mais comuns que são contadas pelos golpistas:

  • consumidores recebem uma máquina com visor quebrado para fazer o pagamento; 

  • consumidores são informados pelo entregador que deveriam pagar um valor a mais (“valor da entrega”, “taxa de serviço”); 

  • consumidores recebem uma ligação do suposto restaurante informando sobre a cobrança de uma “taxa de entrega” e pedindo os dados do cartão; 

  • consumidores recebem ligação do suposto entregador dizendo que sofreu um acidente, por isso outra pessoa fará a entrega e será necessário cobrar uma taxa a mais pelo serviço.

Então, se uma situação assim acontecer com você, fique atento para não cair nesse golpe!