Pirâmide financeira: o que é e como se proteger

Todos os esquemas do tipo pirâmide entram em colapso e a maioria dos investidores perde dinheiro

Controle
Seus Gastos
Por Rodrigo Chiodi

Você conhece alguém ou já recebeu uma proposta para integrar uma pirâmide financeira? Neste modelo de negócios nada sustentável, a premissa costuma ser a pessoa pagar para participar, com a promessa de que, com a indicação de novos membros, comece a receber muito dinheiro. 

O esquema é golpe e os apelos para que investidores participem normalmente são acompanhados de promessas como: “ganhe dinheiro sem sair de casa”, “dobre seus investimentos em pouco tempo” e “retorno rápido garantido”.

Pode ou não envolver a venda de produtos, mas, na maioria dos casos, as informações são propositalmente rasas e confusas. Já deu para entender que é uma cilada, não? Mas vamos explicar tudo sobre as pirâmides financeiras neste artigo. 

O que é pirâmide financeira

O uso da palavra pirâmide para esse tipo de prática deriva da maneira como o modelo de negócios é desenhado. Começa com um vendedor no topo que convida um grupo de pessoas para participar. Cada um dos participantes, por sua vez, recruta seu próprio grupo de membros e assim por diante.

As pessoas que entram no negócio devem fazer um investimento inicial, mas a ideia é que os níveis inferiores (ou seja, os grupos que entraram por último) sustentem os superiores, fazendo com que o dinheiro suba em direção ao topo. 

Em resumo, nesse esquema clássico de pirâmide, os participantes tentam ganhar dinheiro apenas recrutando novos participantes. A ênfase, portanto, é no recrutamento de novos membros, e não na venda de produtos ou serviços. 

Mas lembre-se: um golpe fraudulento como esse nem sempre se apresenta como pirâmide. É comum que eles usem outras definições. É necessário ficar atento ao modelo do negócio e às promessas de ganho fácil. 

Por que a pirâmide financeira não funciona?

 Imagem com fundo preto mostra uma moeda de 1 real em pé com rachaduras

Você pode até encontrar pessoas que dizem ter ganhado muito dinheiro com a estratégia, mas o esquema não se sustenta por muito tempo. Na maior parte das vezes,  estruturas de pirâmide financeira entram em colapso e os investidores saem perdendo.

Os organizadores usam o dinheiro investido pelos novos recrutas para pagar as pessoas que estão há mais tempo no negócio. Só que chega a um ponto em que os esquemas ficam muito grandes e o promotor não consegue mais levantar dinheiro de novos integrantes para pagar os investidores anteriores. 

É simples entender por que esse modelo de negócio é insustentável. Pense que há um número finito de pessoas no mundo. Para que uma pirâmide financeira consiga, de fato, cumprir o que promete, ela precisaria continuar crescendo para sempre.

Uma conta de progressão geométrica mostra como esse tipo de esquema não se sustenta ao longo do tempo. Supondo que cada pessoa recrute 6 novas pessoas, essas por sua vez indiquem mais 6 e assim por diante. No 11º nível, seriam necessários mais de 360 milhões de participantes para que todos recebessem dinheiro. 

Como o Brasil todo tem cerca de 210 milhões de habitantes, uma pirâmide financeira desse tipo que começasse aqui teria que angariar populações inteiras de outros países para que tivesse sucesso. 

É importante saber que as pirâmides nem sempre quebram. Às vezes elas só estacionam, mas o resultado é o mesmo. Quando novos membros param de entrar no esquema, é impossível cobrir a remuneração de quem chegou primeiro.

Como identificar uma pirâmide financeira? 

Mulher sentada em frente a uma mesa onde há uma xícara e píres vermelhos apoia o queixo com a mão esquerda e olha para o celular que segura com a direita

A prática de pirâmide se enquadra na Lei 1.5521/51 e, portanto, é considerada crime contra a economia popular e pode resultar em penas de até 5 anos de prisão. É por isso que é muito importante saber identificar esse modelo de negócio para que você nunca caia em cilada.

Com promessas de retorno financeiro em pouco tempo, o esquema é ilegal porque só é vantajoso enquanto atrai novos investidores. Além disso, a prática de golpes como esses traz danos graves ao sistema financeiro nacional e ao patrimônio dos consumidores. 

Os organizadores normalmente promovem o esquema por meio de mídias sociais, de publicidade na internet, em sites de empresas dedicadas exclusivamente a isso ou até mesmo por meio de vídeos no YouTube ou apresentações para grupos.

Independentemente do nome usado, esse tipo de golpe financeiro tem alguns elementos recorrentes, listados pela  Securities and Exchange Commission (SEC), que fiscaliza o mercado financeiro dos Estados Unidos. São eles: 

  • Foco no recrutamento de novos participantes, e não em produtos ou serviços. Em alguns casos, podem até existir produtos associados, mas a promessa de retorno financeiro não está ligada à venda deles; 

  • Promessas de alto retorno em um curto período ou de dinheiro fácil. Desconfie de propostas que prometem altos ganhos financeiros sem que você tenha que trabalhar muito por isso. Muitas vezes, os recrutadores pedem que os membros recrutem pessoas ou coloquem anúncios em sites duvidosos; 

  • Informações confusas ou obscuras. Se você foi chamado para entrar em um esquema no qual não há informações sobre a empresa envolvida ou com descrição vaga das atividades ou da forma de remuneração, desconfie. Na dúvida, peça por documentos que comprovem as fontes de receita. 

Como se proteger de um esquema de pirâmide financeira?

O Ministério Público Federal criou uma cartilha com muitas dicas práticas para que os investidores conheçam bem o negócio proposto e, assim, não caiam em golpes de pirâmide. Veja algumas delas a seguir: 

  • Verifique se o produto está sendo vendido fora da rede dos integrantes do esquema e se comercialização para varejistas; 

  • Compare quanto é gasto com publicidade em relação ao faturamento real do produto ou serviço que é vendido; 

  • Tenha cautela com ofertas que prometem ganhos por meio do crescimento contínuo de  recrutamentos de novos membros, em vez de vendas de produtos; 

  • Fique atento para persuasão provocada por “clientes” utilizados para promover os planos;

  • Calcule se o ganho que é prometido virá do recrutamento de outros distribuidores (e dos investimentos realizados por esses novos integrantes) ou da comercialização de algum produto ou serviço. 

Como denunciar

Se você foi ou conhece alguém que foi vítima de um golpe desse tipo, ou se está desconfiando da sua existência, faça a denúncia nos canais oficiais do Ministério Público Federal ou nos Ministérios Públicos Estaduais. 

Você também pode recorrer às Polícias Civil e Federal. 

Agora que você já sabe como se proteger de uma pirâmide financeira, veja como evitar que clonem seu cartão de crédito.