Veja quais os golpes mais comuns contra clientes de banco e como evitá-los

Febraban lançou campanha de conscientização que mostra as fraudes mais comuns e como fugir delas

Controle
Seus Gastos
Por Redacao PAN

Golpistas estão sempre inventando formas novas de fazer vítimas. É por isso que a melhor forma de prevenção é se manter informado. Com o slogan “Pare & Pense: #podesergolpe”, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) lançou uma campanha nacional de conscientização contra fraudes financeiras.

A ideia é alertar os clientes bancários sobre os golpes que vêm sendo praticados, ensiná-los a identificar tais crimes e evitar que sejam vítimas deles.

Para isso, a entidade criou um site específico que elenca os crimes mais comuns. Veja abaixo quais são eles e como funcionam, de acordo com a federação.

Quais os golpes contra clientes bancários mais comuns
Mulher idosa fala ao celular sentada em um ambiente doméstico 

Golpe da falsa central de atendimento

O golpista entra em contato com a vítima se passando por um falso funcionário do banco ou de uma empresa com a qual a vítima tem relacionamento. 

Ele diz que a conta dessa pessoa foi invadida, clonada ou teve outro problema. Em seguida, pede dados pessoais e financeiros. 

Golpe do falso motoboy

O golpe começa quando o cliente recebe uma ligação do golpista que se passa por funcionário do banco, dizendo que o cartão do consumidor foi fraudado. 

O falso funcionário solicita a senha e pede que o cartão seja cortado, mas que o chip não seja danificado. Em seguida, diz que o cartão será retirado na casa do cliente. 

Outra pessoa da mesma quadrilha aparece onde a vítima está e retira o cartão. Mesmo com o cartão cortado, o chip está intacto e os fraudadores podem utilizá-lo para fazer transações e roubar o dinheiro da vítima.

Golpe do falso leilão

Golpistas criam sites falsos de leilão, anunciando produtos por preços bem abaixo do mercado. Depois, pedem transferências, depósitos e até PIX para garantir a compra. Geralmente apelam para a urgência de supostos descontos. 

Além de nunca entregarem as mercadorias pagas, podem roubar informações como CPF e número de conta das vítimas.

Golpe no WhatsApp

Os golpistas descobrem o número do celular e o nome da vítima de quem pretendem clonar a conta de WhatsApp. 

Com essas informações em mãos, os criminosos tentam cadastrar o WhatsApp da vítima nos aparelhos deles. Para concluir a operação, é preciso inserir o código de segurança que o aplicativo envia por SMS sempre que é instalado em um novo dispositivo. 

Os fraudadores enviam uma mensagem pelo WhatsApp fingindo ser do Serviço de Atendimento ao Cliente do site de vendas ou da empresa em que a vítima tem cadastro. 

Eles pedem o código de segurança, que já foi enviado por SMS pelo aplicativo, afirmando se tratar de uma atualização, manutenção ou confirmação de cadastro. 

Com o código, os bandidos conseguem replicar a conta de WhatsApp em outro celular e têm acesso a contatos. A partir daí, enviam mensagens para eles, passando-se pela pessoa e pedindo dinheiro emprestado. 

Golpe da troca de cartão

Golpistas que atuam como vendedores prestam atenção quando você digita sua senha na máquina de compra e depois trocam o cartão na hora de devolvê-lo. Com seu cartão e senha, fazem compras usando o seu dinheiro. 

Esse mesmo procedimento pode acontecer com desconhecidos oferecendo ajuda no caixa eletrônico. Eles se aproveitam de alguma dificuldade da pessoa no terminal eletrônico para pegar rapidamente o cartão e depois devolver um que não é daquele cliente, ao mesmo tempo em que espiam a senha.

Golpe do link falso

Ofertas muito atrativas chegam por e-mail ou redes sociais como iscas para que os usuários informem seus dados como número de CPF, conta, cartões e senhas. 

Essas mensagens também podem instalar vírus e aplicativos que roubam seus dados por meio de links maliciosos, permitindo os golpistas acessarem todas as suas contas.

Cuidado com as senhas

Lembre-se de que golpistas só conseguem entrar na sua conta bancária usando sua senha e seus dados. Existem várias formas de conseguirem essas informações: fingindo ser um funcionário do banco, olhando você digitar a senha no caixa eletrônico, enviando falsos portadores ou durante uma compra presencial e até roubando seu celular para procurar senhas anotadas e os dados da sua conta ou cartão de crédito guardados em bloco de notas, arquivos ou em históricos de conversas no WhatsApp e no e-mail.

Saiba como evitar esses golpes
Mulher de perfil sentada em frente a uma mesa olha para o laptop que está em cima do móvel e segura um cartão bancário em sua mão esquerda, com a qual cobre a boca

Agora que você já sabe uma série de golpes financeiros comuns, saiba também algumas formas de se prevenir. 

  1. Golpe da falsa central de atendimento - a Febraban orienta que, se alguém receber esse tipo de contato, deve desconfiar na hora.

A recomendação é que a pessoa desligue e entre em contato com a instituição por meio dos canais oficiais. A preferência, diz a entidade, é que seja  usado o celular ou aplicativos móveis, para saber se algo aconteceu mesmo com sua conta. 

E a federação alerta: “o banco nunca liga para o cliente pedindo senha nem o número do cartão e também nunca liga para pedir para realizar uma transferência ou qualquer tipo de pagamento”.

  1. Golpe do falso motoboy segundo a Febraban, “os bancos nunca pedem o cartão de volta nem mandam portadores até a sua casa para buscá-lo”. 

Por isso, se receber esse tipo de ligação ou visita, a entidade diz firmemente para que o cliente não entregue nada e ligue imediatamente para o banco para saber se existe algum problema com a conta.

  1. Golpe do falso leilão - No site da campanha “Pare & Pense: #podesergolpe”, a Febraban recomenda que a pessoa sempre “pesquise sobre a empresa de leilões em sites de reclamação e confira o CNPJ do leiloeiro”. 

Diz ainda para que nunca sejam feitas “transações financeiras em sites que não tenham o cadeado de segurança no navegador e certificados digitais para transações, nem faça transferências para contas de pessoas físicas”.

  1. Golpe no WhatsApp -  A primeira recomendação é para que a pessoa ative a confirmação em duas etapas em seu WhatsApp: nas configurações do aplicativo, clique em CONTA, depois em CONFIRMAÇÃO EM DUAS ETAPAS e ative essa funcionalidade de segurança com uma senha.

Ainda enfatizam que o código de segurança recebido pelo SMS não deve ser compartilhado. 

E, caso a pessoa receba mensagens de parentes ou conhecidos pedindo dinheiro emprestado, a Febraban recomenda que seja confirmada a identidade de quem está do outro lado.

  1. Golpe da troca de cartão - A principal recomendação é que, em uma compra, a pessoa sempre confira se é mesmo o nome dela que está impresso no cartão devolvido. Se possível, diz a Febraban, “passe você mesmo o cartão na maquininha em vez de entregá-lo para outra pessoa”. 

Nos caixas eletrônicos, a entidade recomenda que o cliente procure funcionários do banco devidamente uniformizados e não aceite ajuda de desconhecidos.

  1. Golpe do link falso - Para evitar ser vítima desse golpe, a Febraban orienta a sempre desconfiar de mensagens que a pessoa não pediu ou aprovou e de ofertas em que o desconto é tentador demais. 

“Fique atento ao e-mail do remetente”, diz a entidade. “Empresas de grande porte não utilizam contas privadas como @gmail, @hotmail ou @terra e entidades públicas sempre usam @gov.br ou @org.br.” 

Em caso de links, a federação pede que a pessoa confira se o endereço da página corresponde ao correto. “Em caso de dúvida, não clique.”

  1. Cuidado com as senhas - “Guarde suas senhas com o máximo cuidado: não anote em papéis nem no bloco de notas do celular ou computador”, diz a Febraban.

A federação de bancos recomenda que sejam usadas senhas diferentes para cada uma das contas e, sempre que possível, use senhas fortes, lembrando-se de ativar a “autenticação em dois fatores” nas plataformas de internet que usar.

Para qualquer transação na internet, é importante saber como identificar se um site é seguro. Confira como neste artigo do blog!