OPINIÃO: Renda extra: saída em momentos de crise

Por Redacao PAN

02_Interna_Colunista_Breno_Barlach.png

Todo começo de ano, brasileiros são lembrados de diversos custos que, se não são surpreendentes, ainda nos pegam de maneira inesperada. IPVA, material escolar etc. trazem grandes pressões nos orçamentos domésticos e os mais impactados são aqueles que vivem de rendas variáveis (autônomos, conta própria, empreendedores). 

Essas pessoas, muitas vezes, têm nos primeiros meses do ano seus menores rendimentos, em razão dos feriados, férias escolares, entre outros. Estudo da Plano CDE com o Banco Pan mostra que 38% da população tem mais de um mês de renda guardado. 

Isto é, quando há algum aperto, as pessoas em geral não têm nenhuma poupança e têm de apelar para rendas extras.

Em muitos blogs especializados em educação financeira, foca-se muito na organização das finanças para a redução de custos, a fim de alcançar objetivos de longo prazo. No entanto, a realidade da maior parte das famílias brasileiras é de pouco espaço para cortar e custos que não podem ser evitados. 

Para essas famílias a saída pode ser a busca de rendas extras – aproveitando a retomada cada vez mais consolidada da economia. Isto é, mesmo para quem tem um salário fixo, há espaço para tornar-se também autônomo, ainda que de forma complementar.

A tecnologia permitiu que muitas frentes se abrissem para gerar rendas. Hoje, é possível mapear diversas formas de buscar algum complemento sem sair de casa. A Plano CDE montou um radar da renda extra, com 10 tipos de aplicativos que podem ajudar a sua família em momentos de maior aperto:

1.     Serviços domiciliares (faxina, manutenção, etc.);

2.     Entregas, de alimentos, compras ou documentos;

3.     Produtos, venda de usados;

4.     Revenda, via associação a empresas de revenda direta;

5.     Transporte, para quem tem ou pode alugar um veículo;

6.     Alimentação, para quem sabe cozinhar, mas não pretende abrir um restaurante;

7.     Beleza, com serviços de salão;

8.     Educação, aulas particulares caso tenha alguma habilidade que possa ser transmitida;

9.     Locação, com foco em imóveis;

10.  Pet, cuidados de animais domésticos.

O perigo das rendas extras está na falta de clareza dos custos envolvidos no processo. Muitas vezes, as pessoas começam uma nova atividade, empolgadas, e não mensuram quanto vão gastar para colocar aquele plano de pé. 

Isso faz com que a precificação não seja muito fácil e abre brechas para o esforço se converter em prejuízo.

O primeiro custo “escondido” é o custo do seu tempo. Quantas horas da sua semana você poderá dedicar à nova atividade? Do que você está abrindo mão? Há risco de isso gerar algum atrito com a sua atividade principal?

Além disso, há custos diretos, mais fáceis de mensurar. Para quem vai tentar ser motorista de aplicativo, o aluguel do carro seria o melhor exemplo. Mas e outros custos indiretos? Neste exemplo de motorista, há a comida fora de casa, multas, entre outros. 

Mulher negra sentada à frente de uma mesa com um laptop aberto mexe em um celular que está sobre o móvel com a mão direita. Ela tem cabelos castanhos médios, usa óculos preto e blusa azul. Ao fundo, em desfoco, há armários brancos de porta de vidro

Caso você decida cozinhar para fora, há o preço do gás, da luz e mesmo a depreciação dos seus eletrodomésticos: um fogão sendo utilizado por muito tempo irá quebrar muito antes de outro que é usado apenas para consumo da família.

Por último, para que essa renda extra se torne constante, e não apenas algo pontual, vale a pena pensar em um valor para ser reinvestido. O lucro das vendas da primeira leva de marmitas, por exemplo, pode ser usado pela família ou pode ser convertido em compras de insumos para a produção de mais valor no futuro. 

A organização deste reinvestimento é algo que muitas vezes é ignorado por quem começa a empreender mais pela necessidade de uma situação emergencial do que de maneira planejada. No entanto, organizar esse pequeno negócio pode ser o diferencial entre conseguir usufruir do ganho de renda e terminar com uma dívida.

Resumindo, a realidade das famílias brasileiras já inclui rendas diversas, e essas foram muito impactadas pela pandemia. Na hora do aperto, vale se atentar para potenciais formas de complementar os salários, mas tomando cuidados para garantir que os lucros não vão se converter rapidamente em prejuízos.

 LinkedIn: Breno Herman Mendes Barlach

Instagram: @planocde

 

* Esse artigo é de autoria do colunista Breno Barlach e não reflete necessariamente a opinião do Banco PAN.