Óleo de soja, carne e leite pesam ainda mais no bolso

Itens estão entre os que mais subiram segundo pesquisa do Dieese sobre cesta básica em maio

Controle
Seus Gastos
Por Rodrigo Chiodi

 

Óleo de soja, carne bovina e leite, além de açúcar e café, foram os produtos com mais alta de preços em maio e que pesaram mais no bolso do consumidor. O dado consta na pesquisa mensal da cesta básica feita pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) e divulgada nesta terça-feira (8). A pesquisa é feita todos os meses em 17 cidades brasileiras. 

O estudo mostra que, no geral, o valor da cesta subiu em 14 das 17 cidades analisadas em maio em relação a abril. As maiores altas foram em Natal (4,91%), Curitiba (4,33%), Salvador (2,75%), Belém e Recife (ambas com 1,97%). 

As capitais onde o valor da cesta apresentou queda de um mês para o outro foram Campo Grande (-1,92%) e Aracaju (-0,26%). 

A cesta mais cara foi a de Porto Alegre: R$ 636,96. Depois, vêm os conjuntos de alimentos pesquisados em São Paulo (R$ 636,40), Florianópolis (R$ 636,37) e Rio de Janeiro (R$ 622,76). As cidades com menor custo para essa cesta foram Aracaju (R$ 468,43) e Salvador (R$ 470,14). 

Mas, ao comparar os preços das cestas de maio deste ano com o mesmo mês do ano passado, houve aumento dos valores em todas as 17 cidades que fazem parte do estudo. 

Nessa comparação, as maiores altas foram em Brasília (33,36%), Campo Grande (26,28%), Porto Alegre (22,82%) e Florianópolis (21,43%).

Produtos com mais aumento de preço

Foto mostra pacotes de feijão, soja e macarrão sobre uma mesa, ao lado de 2 latas , com um vidro de conserva e uma garrafa com líquido amarelo; há ainda uma caixa de papelão com latas, um pacote de biscoitos, um de macarrão, uma garrafa e um vidro de azeitonas

Veja abaixo os produtos com maiores reajustes de preços e com altas em mais cidades pesquisadas pelo Dieese.

Açúcar: aumentou em 16 capitais. As taxas oscilaram entre 0,95%, em Natal, e 7,43%, em Curitiba. Houve maior demanda pelo produto e menor oferta, porque a moagem começou mais tarde e a produtividade nos canaviais foi reduzida. Com isso, os preços subiram no varejo. 

Óleo de soja: aumentou em 15 capitais. As maiores elevações ocorreram em Curitiba (12,75%), Porto Alegre (4,95%), Campo Grande (3,33%) e Florianópolis (3%). Em Aracaju, o preço diminuiu (-2,56%). Houve dificuldade dos produtores para conseguir matéria-prima. 

Carne bovina de primeira: aumentou em 16 cidades. As maiores variações foram em Salvador (6,09%), Curitiba (5,70%), Florianópolis (4,76%) e Vitória (4,57%). Segundo a análise do Diesse, os motivos para mais essa alta foram a forte demanda externa, altos custos de produção e baixa oferta do produto para abate. 

Aliás, a alta da carne bovina, somada à perda da renda por causa da pandemia já faz os brasileiros aumentarem o consumo de ovos como forma de complementar a refeição, de acordo com levantamento da Abras (Associação Brasileira de Supermercados).

Café em pó: aumentou em 15 cidades. As maiores variações foram registradas em João Pessoa (5,07%), Fortaleza (4,52%), Brasília (3,90%) e Curitiba (3,78%). Houve retração em Aracaju (-0,86%). A queda na oferta e o clima desfavorável para a lavoura elevaram o preço. 

Pão francês: aumentou em 13 capitais. As altas variaram de 0,36%, em São Paulo a 1,67%, em Recife. Houve quedas em Campo Grande (-1,99%), Florianópolis (-1,31%) e João Pessoa (-0,09%). Motivos: crescimento do consumo de pão durante a pandemia e alta nos valores médios da farinha para panificação. 

Litro do leite integral: aumentou em 12 capitais. As maiores altas do leite foram observadas em Curitiba (5,45%), Goiânia (3,42%), Brasília (3,09%), Vitória (2,69%) e Porto Alegre (2,46%). 

Quilo da manteiga: aumentou em 10 cidades. Principais elevações: Campo Grande (4,11%) e Curitiba (4,08%). A alta, tanto para o leite quanto para a manteiga, ocorreu por causa da entressafra do leite, do clima seco e dos maiores custos de produção. 

O que é a pesquisa da cesta básica do Dieese

A Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos (PNCBA) é um levantamento contínuo dos preços de um conjunto de produtos alimentícios considerados essenciais. 

A PNCBA foi implantada em São Paulo em 1959, a partir dos preços coletados para o cálculo do Índice de Custo de Vida (ICV) e, ao longo dos anos, foi ampliada para outras capitais. 

Hoje, o levantamento é feito em 17 unidades da Federação. Permite a comparação de custos dos principais alimentos básicos consumidos pelos brasileiros.

Os itens básicos pesquisados foram definidos pelo decreto lei nº 399, de 30 de abril de 1938, que regulamentou o salário mínimo no Brasil e está vigente até hoje. 

O decreto determinou que a cesta de alimentos fosse composta por 13 produtos em quantidades suficientes para garantir o sustento e bem-estar de um trabalhador adulto por 1 mês. Bens e quantidades foram diferenciados por região, conforme os hábitos alimentares locais.