Proibição de suspensão do corte de luz é prorrogada

Medida, voltada a consumidores de baixa renda, valerá até o fim de setembro

Controle
Seus Gastos
Por Rodrigo Chiodi

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou nesta nesta terça-feira (15) que vai prorrogar por mais 3 meses a proibição de corte de energia por inadimplência para os consumidores de baixa renda. 

De acordo com a Aneel, a medida vai beneficiar aproximadamente 12 milhões de famílias. Ela é válida para quem é consumidor da tarifa social de energia elétrica. A decisão foi divulgada pela agência em seu site.

“O nosso objetivo é atenuar o sofrimento da população mais vulnerável, contexto em que se insere a dita prorrogação da proibição de corte no fornecimento por inadimplência para a classe baixa renda”, disse o diretor-geral da Aneel, André Pepitone, no comunicado.  

Proibição de corte de luz começou em março

Uma mulher com blusa estampada faz anotações à caneta numa folha branca de papel, com o laptop fica aberto à frente

Em março, a Aneel suspendeu o corte de energia por inadimplência para consumidores de baixa renda até 30 de junho. Agora, a proibição vai valer até o fim de setembro.

É importante lembrar que essa decisão não isenta os consumidores de pagar a conta de energia. Ela apenas impede que o fornecimento de energia seja cortado para aqueles que estão incluídos na tarifa social e não conseguirem quitar suas contas.

O motivo da proibição de corte é a pandemia, já que muitos consumidores foram duramente atingidos pela crise econômica e perderam as condições de pagar as faturas.

12 milhões de famílias devem se beneficiar

Imagem mostra uma rua em declive com várias pequenas casas

Ao todo, cerca de 12 milhões de famílias inscritas no Cadastro Único e com renda menor ou igual a 1 salário mínimo (R$ 1.100, neste ano) devem se beneficiar com a medida da Aneel.

Famílias com portadores de doenças que precisem de aparelho elétrico para tratamento e com renda de até 3 salários mínimos (R$ 3.300) também serão contempladas.

O mesmo vale para as famílias que tiverem um integrante que receba o Benefício de Prestação Continuada (BPC).