Home office na pandemia: saúde mental é a principal queixa de profissionais

Pesquisa mostra que gestores e recrutadores também apontam a saúde mental como a maior preocupação de 2021

Controle
Seus Gastos
Por Rodrigo Chiodi

O impacto na saúde mental foi a principal queixa de profissionais em home office na pandemia, segundo pesquisa da consultoria de recrutamento Robert Half.  

A 15ª edição do Índice de Confiança Robert Half (ICRH) foi realizada pelo perfil oficial da empresa no LinkedIn entre os dias 9 e 28 de fevereiro de 2021. Os dados são baseados na percepção de 1.161 profissionais de várias regiões do Brasil e divididos entre recrutadores, empregados e desempregados.

 

 

Do total de entrevistados, 52% consideram que a sensação de equilíbrio entre qualidade de vida e trabalho piorou ou se manteve igual desde o início da pandemia.

Entre os principais motivos apontados por esse grupo estão:

  • Piora na saúde mental (32%);

  • Falta de contato próximo com equipe e gestores (16%);

  • Espaço físico inadequado para o trabalho (10%).

Home office na pandemia sem férias

Após 12 meses de home office, 40% dos respondentes da ICRH afirmaram que se sentem cansados ou estressados com a nova realidade profissional.

Na avaliação da consultoria, o prolongamento da pandemia e a necessidade de distanciamento social fez com que muitos profissionais e empresas optassem pelo adiamento de suas férias, o que resultou em cargas de trabalho mais pesadas.

Para reverter o quadro de sobrecarga, a consultoria indica que as empresas devem balancear possíveis planos de férias atrasados com as agendas de recuperação dos negócios.

“Uma boa alternativa dentro deste contexto é o recrutamento de profissionais para projetos a fim de preencher as lacunas temporárias deixadas pelos colaboradores permanentes que estejam de licença”, diz a Robert Half em comunicado divulgado para o blog Amigo do Dinheiro.

Burnout pode crescer em 2021

Mulher olha com cara de preocupada para a tela do computador enquanto segura seus óculos com a mão esquerda
Para 28% dos recrutadores entrevistados na 15ª edição do ICRH, a saúde mental é a maior preocupação de 2021 quando o assunto é gestão de pessoas. E ela pode ficar ainda maior com a recuperação econômica.

Isso porque as empresas podem acelerar suas atividades e criar cargas de trabalho ainda mais pesadas para seus profissionais. “No entanto, trabalhar incansavelmente não é saudável e nem sustentável, além de poder resultar em um burnout”, alerta a consultoria. 

A Síndrome de Burnout ou Síndrome do Esgotamento Profissional é um distúrbio emocional que acontece pela sobrecarga de trabalho. Os sintomas mais comuns são exaustão extrema, estresse e esgotamento físico.

4 dicas para prevenir o esgotamento

No comunicado enviado ao blog, a Robert Half listou 4 dicas para que gestores atuem na prevenção da Síndrome de Burnout e, consequentemente, contribuam para a melhora da saúde emocional de seus funcionários que fazem home office na pandemia. 

São as seguintes:

  • Apoie o equilíbrio entre vida e trabalho com esquemas alternativos de trabalho, jornadas flexíveis e atenção ao volume de horas trabalhadas;

  • Dê o exemplo de gerenciamento de estresse. Para isso, evite trabalhar até tarde, tire férias e não envie e-mails fora do horário de expediente;

  • Estabeleça prioridades. Isso faz com que o foco esteja somente em tarefas críticas do negócio;

  • Compartilhe recursos. Promova a boa comunicação entre todos, incentive ofertas de bem-estar na empresa e a participação de colaboradores em aulas e programas gratuitos com foco em um estilo de vida mais saudável.