O que é CDB e como investir

O Certificado de Depósito Bancário (CDB) é uma opção de investimento em renda fixa mais segura para quem está começando

Renda
Extra
Por Redacao PAN

 

O mundo dos investimentos é cheio de opções para quem deseja transformar dinheiro em mais dinheiro. Uma das maneiras de fazer isso é investir no Certificado de Depósito Bancário. Mas você sabe, realmente, o que é CDB?

A sigla é um tipo de investimento usado por quem está começando nessa área, isso porque ele traz menos riscos do que outras opções. Ao mesmo tempo, é protegido pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito), entidade que protege investimentos como o CDB.

O FGC protege depósitos em contas corrente e poupança e aplicações de até R$ 250 mil por CPF caso o banco ou instituição financeira quebre. Assim, quem investe em títulos como CDB até esse valor máximo não vai perder o dinheiro caso o banco vá à falência.

Dessa forma, o CDB é uma alternativa interessante para quem está pensando em investir. Para você não ficar com dúvidas sobre o que essa alternativa significa, por que ela existe e o que pode influenciar o rendimento, leia mais.

O que é CDB?

O CDB (Certificado de Depósito Bancário) é um tipo de aplicação de renda fixa. Esse certificado é um título que funciona como empréstimo para as instituições financeiras. Em compensação, ele rende juros.

Sabe quando você solicita um empréstimo ao banco, ele te empresta o dinheiro, mas você precisa devolver com taxa de juros? Então, nesse caso, basicamente quem está emprestando dinheiro para o banco é você! E você receberá a devolução dessa parcela emprestada acrescida de juros.

Assim, quando você compra CDB de um banco, você está emprestando uma grana para a instituição que emitiu o título (ou seja, o CDB). Para “agradecer” pela grana emprestada, o banco te devolve o dinheiro depois com o acréscimo de juros.

Por que existe CDB?

Por regra do Banco Central (BACEN), todos os bancos devem fechar o dia com saldo positivo. Isso significa que eles precisam ter dinheiro sobrando depois do expediente bancário e não encerrar o dia no vermelho.

Só que isso nem sempre acontece: em um determinado dia, por exemplo, mais pessoas podem ter sacado dinheiro de um banco do que deixado lá. O CDB é uma das formas de os bancos cobrirem essa diferença.

Algo parecido acontece com o CDI (Certificado de Depósito Interbancário). Se no CDB, quem empresta grana aos bancos são pessoas físicas, no caso do CDI quem faz esse empréstimo são os próprios bancos, entre si.

Como o CDB funciona?

 

 

foto de nota de 100 reais, com gráfico que indica variação de preços desenhado em arte gráfica

Esse investimento funciona da seguinte forma:

  1. Quem deseja investir busca uma instituição financeira que oferece essa aplicação, feita com a compra do CDB, que promete um determinado rendimento em juros em um prazo específico;

  2. O banco que emitiu o título utiliza esse dinheiro emprestado para suas atividades (como fechar o caixa no azul, emprestando dinheiro para outros clientes e cobrando juros por esses empréstimos, por exemplo);

  3. Ao mesmo tempo, para quem comprou o título, ele começa a render juros (lembra que em todo empréstimo há incidência de juros? No CDB acontece a mesma coisa);

  4. Quando termina aquele prazo, no que é chamado de data de vencimento, o banco devolve a quantia emprestada, acrescida dos rendimentos com juros.

Quando alguém compra um título CDB, o dinheiro fica aplicado nesse investimento e, enquanto ele estiver lá, haverá juros. 

Na data de vencimento (quando termina o prazo para o dinheiro ficar aplicado), quem investiu recebe o valor de volta acrescido do rendimento do CDB com juros.

Há opções de CDB que você pode resgatar a qualquer momento - a chamada liquidez diária. E esse é um ponto a prestar atenção na hora de fazer a aplicação, porque há algumas em que há um prazo mínimo para deixar o dinheiro aplicado antes de fazer o resgate, que pode variar entre 1, 2 ou 5 anos.

Na hora de aplicar, é sempre bom checar qual o tipo que é mais adequado para suas contas. 

Quanto rende o CDB?

foto de mulher olhando concentrada para computador. A mulher é negra, tem cabelo cacheado na altura dos ombros, usa óculos e veste camisa manga longa branca. À esquerda, ícones de porcentagem em tons azul e branco.

Depende do tempo em que o dinheiro fica investido e, também, do quanto rende. É comum encontrar no mercado 2 tipos de CDBs, os com juros prefixados e os com juros pós-fixados.

CDB com juros prefixados

Nesse tipo de investimento, a taxa de juros é prefixada. Isso significa que, ao comprar o título, os investidores já sabem qual será o rendimento daquele CDB, porque a taxa é definida logo de cara. 

Vamos usar um exemplo: um banco emitiu um título de CDB com vencimento em junho de 2030, que possui rendimento prefixado de 10% ao ano. Isso significa que, até 2030, todo ano esse CDB renderá 10%. 

Quando chegar o vencimento, quem investiu receberá o valor aplicado, somado aos rendimentos do título.

CDB com juros pós-fixados

No caso dos títulos pós-fixados, esses CDBs não possuem percentual fixo de rendimento. Mas a variação dos juros está ligada a indicadores econômicos, como a taxa CDI. 

Nesse caso, o rendimento normalmente é um percentual da variação desses índices ou outra combinação indicada na proposta da aplicação.

Em outra situação hipotética, uma instituição tem um título CDB, com vencimento também em julho de 2030, mas o rendimento é pós-fixado: o título rende 110% do CDI.  

A cada ano, então, o dinheiro aplicado vai render 110% da taxa CDI. Supondo que, no 1º ano, o CDI foi de 2%, esse CDB vai render 2,2% naquele período. E assim sucessivamente, a cada ano, dependendo da taxa CDI de cada período.

Existem impostos sobre CDB?

foto com destaque para mãos de homem usando calculadora e segurando papéis. O homem aparece do pescoço para baixo e usa camisa social branca.

Sim, eles existem. Um deles é o Imposto de Renda, cobrado de acordo com o tempo em que o dinheiro fica investido. A cobrança é estipulada pelo governo da seguinte forma, sempre sobre o rendimento da aplicação:

  • Se o dinheiro ficar investido por até 180 dias, é cobrada alíquota de 22,5%;

  • De 181 a 360 dias de investimento, a alíquota é de 20%;

  • De 361 a 720 dias de investimento, alíquota de 17,5%;

  • Mais de 720 dias, alíquota de 15%.

O outro imposto que incide sobre CDB é o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), mas ele só será cobrado se você retirar o dinheiro do CDB antes de completar 30 dias de aplicação.

A alíquota do IOF cai à medida que os dias em que o dinheiro fica no CDB passam. Assim, ela é de 96% do rendimento se o dinheiro é tirado 1 dia após a aplicação e vai se reduzindo até 3% caso o valor seja resgatado após 29 dias contados da aplicação.

Depois de entender o que é CDB, você já pode aprender ainda mais sobre investimentos. Veja 5 dicas para começar a investir!