Já pensou em ter seguro de vida? Veja por que você deveria ter um

Veja quais as coberturas deste seguro e a importância dele para momentos difíceis

Mais crédito
para você
Por Redacao PAN

Você já ouviu falar em seguro de vida? Se sim, já pensou em ter um?

O seguro de vida é um recurso para não passar por dificuldades financeiras em momentos difíceis. Existem produtos com diferentes coberturas e assistências. Em algumas delas, é o titular que recebe a indenização. Em outras, seus familiares ou beneficiários.

Entenda como funciona o seguro de vida e por que é importante você contratar um.

O que é seguro de vida?

foto destaca uma pessoa assinando papéis de seguro de vida, ao lado de outra pessoa. Ambas só aparecem do pescoço para baixo, são brancas e vestem blusas de manga comprida e estão diante de papéis e xícaras em cima de mesa.

A Susep (Superintendência de Seguros Privados) explica que o seguro de vida é uma proteção diante de fatalidades que prejudiquem o sustento de uma família, como um falecimento. Ele prevê indenização para reduzir prejuízos do segurado ou de familiares beneficiários do seguro.

Ele faz parte da modalidade de seguros de pessoas, que visam garantir pagamento de indenização a segurados ou beneficiários de acordo com o contrato de seguro, afirma a entidade.

Em geral, ele é associado à morte de uma pessoa. E esse é um tema que é tabu para 76% dos brasileiros, como mostra pesquisa feita pela Studio Ideias

Mas há outras situações em que ele pode ser acionado, como invalidez permanente ou, em alguns casos, diagnóstico de doenças como câncer. 

Como esse tipo de seguro funciona?

Um seguro de vida pode ser contratado com uma empresa seguradora ou corretora de seguros. Qualquer pessoa maior de idade pode fazer isso. 

Importante pensar em duas coisas antes de contratar um seguro de vida. Primeiro, nos tipos de proteção que você deseja em um seguro. Segundo, no valor mensal que pode ser destinado para pagar o seguro de vida, pois ele precisa caber no bolso. 

O planejamento financeiro é importante nesse momento, pois ajuda a buscar opções de seguro que sejam compatíveis com o orçamento e com a proteção ideal para você e sua família.

Depois de entender quais as necessidades de proteção e qual o valor de mensalidade ideal para pagar, é hora de pesquisar o produto que seja mais adequado à sua necessidade.

Para isso, é importante saber que o mercado oferece diversos tipos de seguros de vida, desde os mais simples com cobertura de morte, até os mais completos com outras coberturas e serviços que podem ser utilizados mesmo não acionando o seguro.

A contratação pode ser feita de diversas formas, seja falando com um corretor de seguros, ou mesmo por meio de plataformas digitais de seguradoras e corretoras. Há também ofertas no canal bancário, ou seja, no aplicativo do seu banco provavelmente tem um seguro de vida esperando por você.

Ao contratar um seguro, e dependendo da seguradora, podem ser solicitadas informações sobre seu histórico de saúde, existência de doenças atuais e preexistentes, uso de medicamentos, tratamentos médicos, doenças prévias, entre outras, tudo isso para que seja possível compor uma oferta de acordo com o seu perfil. 

Para isso, algumas seguradoras utilizam a DPS (Declaração Pessoal de Saúde), que é um questionário com perguntas sobre os hábitos e a saúde do contratante do seguro de vida. 

É por meio dessa declaração que determinam o estado de saúde do segurado e avaliam seu perfil de risco. Com isso as seguradoras oferecem produtos com coberturas e preços customizados e de acordo com a necessidade do cliente.

Vale pontuar que você consegue contratar um seguro de vida com alguns cliques e não há necessidade de compartilhar informações detalhadas sobre seu estado de saúde. O ideal é pesquisar e definir qual é mais adequado à sua necessidade e de sua família.

Encontrou o seguro ideal? É  hora de contratar o seguro. Quando isso acontece você recebe uma apólice, documento que contém todos os detalhes de coberturas, capital segurado, vigência, valores de prêmio, indenizações e beneficiários.

Quem é o beneficiário do seguro de vida?

É a pessoa indicada pelo segurado para receber a indenização caso ele venha a falecer. Normalmente são indicados cônjuges e filhos, mas pode ser também um amigo, vizinho, parente. 

Se não houver indicação de beneficiários, de acordo com a Susep a indenização será paga da seguinte forma:

  • metade para o cônjuge que não esteja separado judicialmente de quem contratou o seguro

  • a outra metade é dividida entre herdeiros da pessoa segurada.

Para receber os valores, deverão ser apresentados documentos como laudos médicos ou atestados indicados na apólice ou pela empresa seguradora, além dos documentos dos beneficiários. 

O prazo para receber indenização em caso de sinistro (situação prevista na apólice) é de no máximo 30 dias após o envio da documentação, informa a Susep.

O que o seguro de vida inclui?

ilustração mostra uma mulher em dúvida ao olhar com lupa para um papel com linhas, para dar a ideia de leitura detalhada de contrato de seguro de vida

A principal cobertura (proteção prevista em apólice) do seguro de vida é o falecimento de quem o contratou. Além disso, existem coberturas adicionais que podem ser adicionadas, de acordo com a Susep.

Esse tipo de proteção tem cobertura ampla e pode indenizar morte natural ou acidental, por exemplo. Entre as principais coberturas, estão:

  • morte por causas naturais e/ou acidentais, que dão direito a indenização para beneficiários do segurado caso ele venha a falecer durante a vigência da apólice de seguro

  • invalidez funcional permanente total por doença, em situações que inviabilizem a autonomia de uma pessoa por causa de um quadro clínico sério

  • invalidez permanente total por doença, consequência de situação que não permite reabilitação e impede os segurados de trabalharem com aquilo que mais trazia renda para suas vidas 

  • doenças graves, caso o segurado seja diagnosticado com câncer, infarto agudo no miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC), entre outras.

Além disso, algumas coberturas e assistências podem ser acrescentadas a um contrato de seguro, como auxílio funeral, pagamento de diárias por internação hospitalar ou por tratamento médico que impossibilite o trabalho, telemedicina, descontos em consultas, exames e medicamentos, entre outros.

Por outro lado, há situações que não são cobertas por esse tipo de seguro. São os chamados Riscos Excluídos. A Susep informa que os principais riscos que não dão direito à indenização nesses planos são:

  • doenças preexistentes não informadas no momento da contratação do seguro

  • atos ilícitos como tentativas de fraude

  • lesões a partir de esforço repetitivo

  • intoxicação alimentar ou por medicamentos, exceto no caso de remédios que foram prescritos por profissionais de saúde.

É fundamental observar quais são as coberturas do seguro contratado para não ter surpresas. Lembre-se de que, quanto maior o número de proteções, mais caro pode ficar o valor a ser pago mensalmente pelo seguro.

Motivos para ter um seguro de vida

foto mostra duas pessoas idosas, sendo que uma delas está com as mãos apoiadas sobre o peito da outra em um abraço por trás. A foto destaca as mãos para dar sensação de proteção.

Um dos principais motivos para fazer um seguro de vida é permitir que familiares sejam amparados em um momento que, por si só, já é difícil, como o falecimento de alguém. Se isso acontecer por uma razão prevista em apólice, a família será indenizada.

Esse amparo traz uma proteção financeira que é importante para cobrir gastos relacionados à perda de alguém, como por exemplo despesas funerárias. A indenização também ajuda a manter o padrão de vida de uma família que perdeu quem a sustentava financeiramente.

Por fim, o dinheiro obtido com a indenização pode ser usado para dar melhores condições aos filhos ou para o pagamento de dívidas. Afinal, o impacto do falecimento de uma pessoa é grande e pode ser sentido por anos, inclusive financeiramente.

Com o seguro de vida, os segurados ficam protegidos caso ocorra qualquer situação prevista em apólice. Com isso, se qualquer evento coberto pelo seguro acontecer, quem contratou a proteção e seus beneficiários poderão lidar melhor com adversidades, sem prejudicar o orçamento.

Depois de entender o que é o seguro de vida, é hora de saber como fazer o seu e, dessa maneira, proteger as pessoas que você ama caso algo aconteça. Veja o passo a passo!