Será que vale mesmo a pena viver com carro alugado em vez de comprar um?

Controle
Seus Gastos
Por Redacao PAN

Você já deve ter ouvido muita gente falar das desvantagens de ter um carro. É custo de manutenção, seguro e desvalorização. Se, por um lado, você tem conforto para poder ir para onde quiser, por outro lado acaba perdendo dinheiro.

Nos últimos anos, surgiu uma nova opção no mercado: as locadoras estão oferecendo carros por longos períodos com diárias mais baixas.

Antigamente, elas só serviam para quando você ia viajar. Mas agora estão oferecendo novos serviços, e um deles é o aluguel de carro por um longo período. E funciona assim: quanto mais tempo você fica com o carro, menor o preço da diária.

Para se ter uma ideia, quando você aluga um carro por um mês ou mais, os descontos na diária são de 45% ou mais. Mas a pergunta é: ainda assim, vale a pena alugar ou comprar um carro?

Como calcular?

Vamos ajudar você a fazer essa conta.

Primeiro pense no seguinte: alguns custos, você vai ter de qualquer jeito, não importando se o carro é seu ou alugado. Por exemplo: gasolina, estacionamento, pedágio ou mesmo um borracheiro. Sim, se um pneu furar, a responsabilidade por consertar é sempre sua.

Você precisa, então, saber quais itens são diferentes em um caso e em outro. E identificamos quatro deles.

  1. Taxa de locação: no caso de você alugar um carro, vai ter de pagar a locação. Ela inclui as diárias e o seguro. No caso de compra, este item não aparece.

  2. Parcela do financiamento: este item, por sua vez, só aparece no caso de compra. Precisa calcular quanto você vai pagar de parcela do financiamento. Lembre que, de acordo com o perfil de quem pede o financiamento, serão pagos mais juros ou menos juros.

  3. Parcela do seguro: este item também só entra no caso de carro próprio. O valor pode variar bastante de acordo com o perfil do motorista e da seguradora. Por isso, convém fazer uma boa cotação antes de fazer as contas.

  4. Depreciação: existem cálculos que dizem que um carro desvaloriza 10% no primeiro ano e 6% do segundo ano em diante. Então, você precisa considerar que estará sempre perdendo um pouco de patrimônio. Para efeito de cálculo, consideramos uma depreciação média de 7% ao ano.

Uma simulação

Fizemos aqui uma simulação de uma pessoa que quer um carro popular, mas está na dúvida entre comprar ou alugar. O carro custa cerca de R$ 48.500,00.

Nesta simulação, consideramos as duas opções: alugar e comprar.

Opção 1: Alugar

O aluguel do carro dessa categoria é de R$ 1.775,00 por mês na cidade de São Paulo, que tomamos como referência.

Colocamos um limite de rodagem de 1.500 km por mês. Se aumentar o limite mensal, aumenta o valor. Não é muita coisa, mas aumenta um pouco.

A grande vantagem do aluguel é que essa pessoa estará sempre com um carro novo. Daqui a um ano, por exemplo, ela pode devolver esse carro e pegar outro com a mesma idade do anterior. Ele não envelhece nunca.

Opção 2: Comprar

  • A compra do carro não tem taxa de aluguel, mas numa simulação chegamos aos seguintes valores, também tendo a cidade de São Paulo como referência:

  • Parcela do financiamento: R$ 1.200,00. Considere que os juros aqui podem variar conforme o perfil. Uma pessoa que tenha, por exemplo, score mais alto pode conseguir juros mais baixos. Consideramos uma parcela de financiamento para 48 meses, com apenas 10% de entrada.

  • Parcela do seguro: R$ 170,00. O valor pode variar muito conforme a idade, onde o carro é guardado, o modelo do carro, quantas pessoas vão dirigir, bairro onde o cliente mora e trabalha e muitos outros detalhes. Aqui, usamos um valor intermediário, de R$ 2.040,00 por ano — ou R$ 170,00 por mês.

  • Depreciação (desvalorização): se o carro vale R$ 48.500,00 e a depreciação média é de 7% ao ano, isto significa que ele desvaloriza mais ou menos R$ 3.395,00 por ano. Ou seja, a cada ano, ele vai valer R$ 3.395,00 a menos. Arredondando, ele vale cerca de R$ 280,00 a menos por mês.

Total: R$ 1650,00 por mês.

Conclusão

Alugar o carro custa R$ 1.775,00 enquanto comprar custa R$ 1.650,00 por mês.

Mas tem um detalhe adicional aí. Ao comprar o carro, você está capitalizando o valor pago todo mês. Ou seja, depois de 48 meses, você terá um patrimônio seu.

E se o carro estiver quitado?

A simulação que fizemos leva em conta o caso de um carro financiado. E se o carro já for 100% seu? Será que aí não vale a pena usar carro alugado?

Nesse caso, o ideal é que você aplique todo o dinheiro do carro em um investimento com a melhor rentabilidade possível. E aí usar o dinheiro dessas aplicações para ir pagando as mensalidades.

O problema é que o valor do carro é de R$ 48.500,00. Numa hipótese otimista, você vai conseguir fazer o seu dinheiro render 1% ao mês. Isso dá R$ 485,00 por mês de ganhos. Fica longe de conseguir cobrir os R$ 1.775,00 de taxa de locação.

Então, aparentemente, ainda vale mais a pena ter o próprio carro.

Ou, então, partir para o que muita gente anda fazendo: vender o carro para usar transporte por aplicativo, que parece realmente ser uma opção realmente econômica. Mas isto é assunto para um outro post.