Parcelamento sem juros: 7 mitos e verdades sobre o assunto

Veja como calcular os juros do parcelamento das compras para não pagar mais caro nos produtos

Controle
Seus Gastos
Por Rodrigo Chiodi

Realizar compras parceladas é uma facilidade oferecida pelo cartão de crédito. Dividir o valor de um produto em vários meses pode ser uma alternativa para quem quer comprar, mas não tem dinheiro para pagar à vista. Mas é sempre importante entender se há e como são os juros do parcelamento.

Com certeza você conhece alguém que parcela compras sempre que pode, principalmente quando o valor da parcela é pequeno. Uma das frases mais comuns nesse caso é “ah! O valor é baixo, nem vai pesar”. É nesse pensamento que mora o perigo. Quando você não se atenta ao que está sendo cobrado, pode pagar mais caro do que o esperado.

Normalmente, quando compramos pela internet, os sites costumam colocar os detalhes do parcelamento, incluindo a taxa de juros ao mês e o acréscimo no valor final do produto. Mas e quando isso não acontece?

O que são os juros do parcelamento?

Imagem mostra duas notas de 50 reais ao lado de uma moeda de 50 centavos e uma moeda de 25 centavos ao fundo.   

Juros são a remuneração paga a quem empresta dinheiro a alguém. Em outras palavras, é um dinheiro a mais que uma pessoa recebe depois de ter emprestado dinheiro a outra.

Seguindo essa lógica, quando você compra um produto de forma parcelada, ele não está completamente pago. É como se o banco ou a operadora do cartão comprassem o produto e permitissem que você pagasse o valor em prestações.

Imagine que uma pessoa comprou um produto para pagar em 10 vezes. Isso significa que a instituição pagou ao vendedor o valor daquele produto e cobrou do cliente durante 10 meses o valor dele. Sendo assim, é possível dizer que o pagamento em parcelas funciona como uma espécie de empréstimo.

Como descobrir o valor real do produto?

Imagem mostra uma mulher realizando cálculos com o auxílio de uma calculadora. ela segura uma caneta entre os dedos enquanto digita os valores. A outra mão está em cima de um caderno.

Quando falamos em calcular juros para descobrir o valor real de um determinado produto, muitas pessoas podem ficar confusas, realizando cálculos na cabeça que não vão chegar a lugar nenhum. 

Claro, existe uma fórmula matemática para calcular os juros, mas também é possível encontrar o valor total do produto de um jeito mais simples. Veja o exemplo:

Você comprou uma televisão que custou 3 mil reais, parcelando o valor em 10 vezes no cartão de crédito. Na hora de pagar percebeu que a parcela ficou em 388,50 reais por mês. Dessa forma, o valor final a ser pago será 3.885,00 reais. Essa diferença são os juros que foram cobrados na compra.

O cálculo para descobrir o total pago é:

10x 388,50 = 3.885

885 reais de juros, que equivale a 5% ao mês.

No site do Banco Central existe uma calculadora que pode te ajudar na hora de entender o quanto de juros será cobrado pelo produto.

Existe parcelamento sem juros?

É comum encontrar anúncios de produtos que dizem "parcele em até 10 vezes sem juros no cartão de crédito". Antes de realizar a compra, faça uma análise do valor que está sendo cobrado pela loja. Muitas vezes os juros já estão incluídos no valor das parcelas. 

Vamos supor que:

Você encontrou um produto por 3.500 reais e parcelou em 10 vezes sem juros, seguindo o anúncio. Porém, a loja oferece 10% de desconto caso o pagamento seja feito à vista. Isso significa que o valor real do produto é 3.150 reais e o valor parcelado “sem juros” já está com esses 350 reais a mais embutidos no valor das parcelas.

Viu? No fim, você pagou mais caro por um produto e nem percebeu. Por essa razão é importante se atentar ao que está sendo cobrado antes de se empolgar com um parcelamento sem juros.

Mitos e verdades sobre o parcelamento

Mulher sentada em frente a um computador em uma cafeteria. Ela olha fixamente para um cartão de crédito. Na mesa diante dela, além do computador, ainda estão um copo e um celular.

Muitas pessoas ainda se questionam sobre o que é mito ou verdade quando o assunto é parcelamento e juros. Por isso, listamos algumas informações que podem ser úteis na hora de entender um pouco mais sobre o tema.

1.    Existe limite de juros

Verdade! Um banco não pode cobrar quanto bem entender de juros. Existem limites que precisam ser respeitados. E quem estabelece esse limite é o Banco Central.

Assim como, quando você faz uma compra parcelada com juros e atrasa uma parcela, dependendo do seu contrato, pode haver a incidência de juros sobre a parcela.

Nesse caso, você vai pagar juros sobre juros. Por isso, sempre faça muito bem as contas para ver se, no final, você não vai pagar um valor muito maior do que o original do produto ou serviço.

2.     Juros são sempre vantajosos para quem vende

É mito. Nem sempre é assim. Quando as taxas de juros no mercado estão altas, os preços sobem e as pessoas acabam comprando menos. No final das contas, as vendas caem.

Outro problema é que os vendedores também compram as matérias-primas com juros altos. Por exemplo, um fabricante que vende camisetas com juros altos também comprou o tecido daquela camiseta pagando juros altos. Então, ele talvez não esteja levando a melhor como pode parecer.

3.    Governo aumenta juros para controlar a inflação

É verdade. Normalmente, o governo aumenta a taxa básica de juros, que é a Selic, para conter a inflação. Como resultado, as pessoas consomem menos e, claro, as vendas caem também.

Fica uma gangorra: aumentam os juros, cai a inflação — e vice-versa.

4. Parcelamento sem juros sai mais barato

É mito. Os juros muitas vezes já estão embutidos no valor da parcela. Pesquise bem na internet e em outros lugares para saber o preço real daquele produto na média do mercado. Você pode acabar descobrindo que os juros estão ali, dentro do preço.

5. Posso reclamar de juros abusivos

É verdade. Você pode, sim, pedir a revisão do contrato. É claro que isso pode envolver muita burocracia e até uma disputa judicial.

Se você achar que você pagou juros abusivos no contrato, o ideal é consultar um advogado, que poderá avaliar o caso e instruir sobre como proceder.

6. Quem está com o nome sujo pode pagar taxas maiores

É verdade. Quem estiver com o nome sujo talvez até consiga um empréstimo no banco, mas têm uma razoável chance de pagar taxas de juros mais altas.

7. Oferecer bens como garantia não diminui taxas de juros

É mito. Se você tiver carro ou casa e quiser oferecê-los como garantia, a taxa de juros pode diminuir.

É o inverso do item anterior. Porque funciona assim: se o banco tem mais garantias ao emprestar mais dinheiros a uma pessoa, ele consegue oferecer uma taxa mais baixa.

Ainda tem dúvida sobre o tema? Não se preocupe! Em nosso canal Pra Fazer Mais no YouTube, tem um vídeo com o Igão Underground que explica mais sobre as taxas de juros no parcelamento. 

*Texto atualizado em 29.06.2021