PIB aumenta 4,6% em 2021, diz IBGE

Indicador funciona como “termômetro” da economia do país e, no Brasil, é calculado pelo IBGE

Controle
Seus Gastos
Por Rodrigo Chiodi

*Atualizado em 4.mar.2022, com dados do 4º trimestre de 2021 e do ano de 2021

Você já ouviu falar de PIB, sigla para Produto Interno Bruto? A cada 3 meses mais ou menos, ele volta a ser notícia, porque é quando o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), responsável pelo cálculo do indicador no Brasil, divulga os resultados de cada trimestre.

O PIB é um indicador econômico que mostra como está a atividade econômica do país. Em 2021, ele subiu 4,6% em relação a 2020, segundo divulgou o IBGE nesta sexta-feira (4). Isso significa que a economia do Brasil  cresceu no ano passado. 

Em 2020, o PIB tinha ficado negativo em -3,9% - ou seja, naquele ano, a economia do país tinha encolhido.

No 4º trimestre, o PIB aumentou 0,5% em relação ao 3º trimestre de 2021, descontados os efeitos sazonais, ou seja, as diferenças de desempenho da economia que são típicas de cada período. Na comparação com o 4º trimestre de 2020, o PIB subiu 1,6%, de acordo com o IBGE.  

No 4º trimestre de 2021, o PIB do Brasil foi de R$ 2,3 trilhões, segundo o cálculo do IBGE. Ao longo de 2021, o PIB total do Brasil foi de R$ 8,7 trilhões.

Desempenho da economia por setores

O IBGE divide o PIB em 3 setores da economia. Na comparação com 2020, a agropecuária teve uma queda de -0,2%. A indústria cresceu 4,5% e o setor de serviços subiu 4,7%.

No texto em que explicou o desempenho da economia do país em 2021, Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, disse que “todas as atividades que compõem os serviços cresceram em 2021”.

De acordo com a especialista, o principal destaque foi para transporte, armazenagem e correio, que subiu 11,4%. “O transporte de passageiros subiu bastante, principalmente, no fim do ano, com o retorno das pessoas às viagens.” 

“A atividade de informação e comunicação também avançou puxada por internet e desenvolvimento de sistemas”, explicou Rebeca. 

“Essa atividade já vinha crescendo antes da pandemia, mas com o isolamento social e todas as mudanças provocadas pela pandemia, esse processo se intensificou, fazendo a atividade crescer ainda mais”, completou ela.

A agropecuária recuou no ano passado, depois de ter crescido em 2020. Segundo Rebeca, essa queda no desempenho do setor se deveu principalmente à estiagem prolongada e de geadas. 

“Apesar do crescimento anual da produção de soja (11,0%), culturas importantes da lavoura registraram queda na estimativa de produção e perda de produtividade em 2021, como a cana-de-açúcar (-10,1%), o milho (-15,0%) e o café (-21,1%)”, detalhou a especialista no texto sobre o PIB.

Quadro mostra a evolução do PIB em um gráfico que traz os últimos trimestres (do  4º de 2020 ao 4º de 2021) e a variação dos setores do PIB em 2021

O que é PIB

O Produto Interno Bruto (PIB) é um valor em dinheiro que corresponde à soma de todos os bens e serviços finais produzidos em um país ou região durante certo tempo. 

Por bens e produtos finais entende-se tudo aquilo que chegou ao consumidor final, e não as matérias-primas utilizadas no processo, por exemplo.  

Normalmente, o que ocupa os noticiários é a variação desse valor. Essa porcentagem é um índice que funciona como “termômetro” da economia de um país. 

Se ela é positiva, significa que a produção, as vendas e até mesmo a geração de empregos está crescendo. Por outro lado, uma variação negativa significa que a atividade econômica do país está caindo. Quando isso acontece, normalmente o desemprego aumenta.

Importante aqui destacar que os produtos e serviços de empresas multinacionais produzidos no Brasil contam para o nosso PIB. Por outro lado, aquilo que é feito por  empresas brasileiras em unidades fora do país entram no cálculo do índice daquela região onde elas estão.

Muitas vezes, o PIB é usado também para comparar o tamanho das economias dos países. E, então, aparecem listas com as maiores economias do mundo, baseadas no valor desse indicador, normalmente convertido para dólares. É uma comparação válida, pois ele mede o que o país produziu durante um determinado período.

Mas, por outro lado, é importante não confundir PIB com o total de riqueza existente em um país ou com o dinheiro que o governo federal tem em caixa (Tesouro Nacional).
Quadro fala qual a importância do PIB e para que ele serve

Como é calculado o PIB

Homem de máscara na área externa de um supermercado empurra um carrinho ao lado de vários carrinhos de supermercado parados

 

Há várias maneiras de calcular o PIB. A primeira e mais fácil é considerando a produção, com a soma de todas as vendas que foram feitas no ano para o consumidor final. Mas sempre só o valor do produto final, sem considerar suas matérias-primas, que são os materiais usados na fabricação dele.

O próprio IBGE dá um exemplo ao explicar o indicador. Um país que produz R$ 100 de trigo, R$ 200 de farinha de trigo e R$ 300 de pão terá um PIB de R$ 300, pois os valores da farinha e do trigo já estão incluídos no valor do pão, porque são as suas matérias-primas.

Entram nessa conta apenas bens e serviços produzidos no período que está sendo avaliado. Um carro fabricado em 2019, mas vendido em 2020, entrará apenas na conta do PIB de 2019. 

Outra maneira de calcular o PIB é pela soma da renda de todas as pessoas envolvidas na produção. Aí sim, no caso do pãozinho, a soma considera a remuneração do padeiro, do dono e dos operários da indústria de farinha e dos produtores do trigo. 

Na prática, o cálculo do PIB é um quebra-cabeça montado pelos economistas a partir de diversos dados, como Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), Produção Agrícola Municipal (PAM) e Balanço de Pagamentos do Banco Central

PIB nominal e PIB real

Pessoa faz conta em calculadora em supermercado em área de exposição de frutas da loja

Como PIB é dinheiro, economistas precisam fazer algumas correções no cálculo para considerar inflação ou deflação de produtos e serviços produzidos. 

Quando a conta considera apenas o valor dos produtos e serviços no preço que ele tinha ao ser incluído na conta - os chamados “preços correntes” - , o resultado é o PIB nominal. 

Mas os preços mudam com o tempo, com o efeito da inflação, não é mesmo? Você sente isso no bolso, quando vai ao supermercado. Se há um ano conseguia comprar uma certa quantidade de arroz com R$ 10, hoje em dia compra menos arroz com essa grana. 

Para tirar esse efeito da inflação do cálculo e saber quanto o PIB variou de verdade, é usado o PIB real. Ele é calculado com um conceito de “preços constantes”, que usam os valores de um ano como base e, na comparação, descontam a variação dos preços com a inflação. 

Por exemplo, para calcular a produção de 2020, toma-se 2019 como ano-base, desconsiderando a variação de preços de um ano para outro. Assim, é possível saber se a produção foi de fato maior ou menor.  

PIB per capita 

O PIB per capita é a divisão do PIB pelo número de habitantes do país. Ele mede o quanto da produção anual de um país caberia a cada pessoa se todos recebessem em partes iguais. 

Se, de um ano para outro, o PIB aumentar menos do que o crescimento da população, o valor per capita será menor.  

Em 2020, ano de pandemia e crise econômica, o PIB per capita foi de R$ 35.172, o menor valor da série histórica. 

Vale dizer que tanto esse dado quanto o total do PIB é apenas um indicador que faz um resumo da economia, uma síntese. 

Isso porque nem o PIB nem o PIB per capita refletem o padrão real de vida da população. Novamente, a observação do IBGE sobre o indicador que ele calcula: ele deixa de fora fatores importantes, como distribuição de renda, qualidade de vida, saúde e educação. 

Para terminar esse artigo, vamos usar a frase do próprio IBGE sobre o indicador e suas comparações possíveis: “Um país tanto pode ter um PIB pequeno e ostentar um altíssimo padrão de vida, como registrar um PIB alto e apresentar um padrão de vida relativamente baixo”.