A massa de ar polar desta semana pode afetar seu bolso. Saiba como

Boa parte do Brasil enfrenta onda de frio e geada que prejudicam lavouras

Controle
Seus Gastos
Por Redacao PAN

 

A chegada de uma massa de ar polar ao Brasil nesta quarta-feira (28), que deve durar pelo menos até sábado (31), pode trazer perdas aos produtores rurais e deve atingir o bolso dos consumidores. 

Isso porque a redução brusca das temperaturas, associada ao risco de geadas, pode comprometer a produção de diversas culturas, como hortaliças, milho e cana-de-açúcar. Como consequência, os preços desses produtos podem subir.

Há risco de geadas nos próximos 2 dias nos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul.

Ao atingirem as lavouras, as geadas podem fazer a produção ser perdida parcialmente ou até por inteiro. Ou seja, gera prejuízos aos produtores e, em seguida, aos consumidores.

Quando os custos de produção no campo ficam mais altos para tentar lidar com as geadas, os valores são repassados aos consumidores, que sentem no bolso na hora de fazer as compras.

Além disso, pode haver perdas em parte das safras. Essas perdas causam aumento no preço dos produtos que restarem para serem vendidos.

Como as geadas afetam a produção agrícola

O risco de geadas fez a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) lançar um alerta sobre o impacto que elas podem trazer nas principais regiões produtoras de milho, trigo e cana-de-açúcar. 

A companhia aponta que deve haver redução da produção de trigo em alguns estados por causa da geada nas lavouras em estágios de floração e enchimento de grãos.

No caso da cana-de-açúcar, a Conab destaca que “houve queima das folhas de parte dos canaviais do centro-sul do país” por causa do frio. Isso agravou as perdas que já tinham ocorrido por causa da seca.

Já o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da USP, destacou em relatório que as últimas geadas já tinham causado perdas em safras de hortaliças e tomates e preocupação em relação a cítricos (como laranja) e café.

Como exemplo, o Cepea disse que as geadas tiveram impacto em cerca de 40% das áreas de plantação de alface crespa em Mogi das Cruzes e 20% de americana, com registro de queima das folhas e miolo.

No caso dos tomates, o Cepea relata que os primeiros danos registrados por produtores são nos frutos já formados, que escurecem com as geadas, devido à queima causada pelo gelo. 

A conclusão de tudo isso é: os preços desses produtos que tiveram as lavouras impactadas devem subir nos próximos dias ou semanas.

Secas também fazem preços de produtos aumentarem 

 Agricultor com blusa cinza observa, agachado na plantação, algumas hortaliças, enquanto outro produtor carrega uma caixa de verduras em meio à plantação

 

 

Além das geadas, produtores também enfrentam a seca. A falta de água é outro fator que tem feito os preços subirem, porque atinge as produções de diversas maneiras.  

Ela já afeta a produção de cana-de-açúcar e de café, segundo a Conab. E aumenta os custos para os produtores rurais, que precisam irrigar mais suas plantações de maneira geral.

Vale lembrar que a falta de água no país, que deixa reservatórios de hidrelétricas em níveis mais baixos, tem feito a conta de luz ficar cada vez mais cara. 

Foi esse o motivo que levou a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) a adotar a bandeira vermelha patamar 2 nas contas de junho e, depois, aumentar o valor dela a partir deste mês.

Com isso, todos os brasileiros passaram a pagar uma taxa extra de R$ 9,492 a cada 100 kWh consumidos.