Consumidor pretende seguir com compra online e redução de gastos após pandemia

Pesquisa aponta quais comportamentos serão mantidos após a situação se normalizar

Controle
Seus Gastos
Por Rodrigo Chiodi

 

O consumidor pretende continuar a fazer compras online e a reduzir gastos após a pandemia. É isso o que aponta uma pesquisa da FecomercioSP, entidade empresarial que lidera o sistema sindical do comércio de bens, serviços e turismo paulista. 

O questionário foi aplicado em outubro de 2020 e maio deste ano a 400 consumidores, sendo 90% na região metropolitana de São Paulo e 10%. As respostas mostram quais comportamentos serão mantidos.

Mais de 90% das pessoas que responderam disseram desta vez que percebem as mudanças de consumo durante a pandemia. Na 1ª pesquisa, 70% dos entrevistados disseram perceber as alterações.

Dessas alterações percebidas, 74% falaram que pretendem “gastar menos” no pós-pandemia, mesmo quando houver ampla vacinação da população. Essa economia é a principal mudança listada por quem respondeu ao levantamento.

Em seguida, vem o comércio eletrônico. Entre as principais práticas adotadas estão: serviço de delivery de comida; educação à distância; compras de alimentos e medicamentos; e compras de eletrodomésticos e eletroeletrônicos online. 

Caiu de 26% para 5% o percentual de pessoas que disseram não ter feito nenhuma compra pela internet durante o período de pandemia. 

A continuidade desse comportamento representa um desafio para o comércio de rua, que terá de lidar com um consumidor mais propenso a comprar pela internet e menos disposto a gastar.

Saber quais são esses comportamentos é importante para o empreendedor planejar os próximos passos de seu negócio. Então, se é o seu caso, anote e já comece a pensar o que pode fazer para aproveitar essas informações.

Por outro lado, só cerca de 10% dos entrevistados disseram que pretendem ampliar o envio de presentes online ou vouchers. Quase 40% falaram que não mudaram esse comportamento nem devem mudar.

A FecomercioSP disse que o envio de presentes ainda é uma “importante prática do convívio social”. Isso explicaria a manutenção desse padrão de comportamento. 

Volta das viagens 

Duas pessoas que aparecem de costas puxam malas de rodinha pelo piso de pedras sobre grama de uma pousada, a céu abeto; uma das pessoas está com blusa estampada de amarelo, calça jeans , bolsa a tiracolo e puxa uma mala preta com uma faixa amarela; a outra está com camiseta branca, calça verde e a mala é azul; seus rostos não aparecem

Ainda é esperada uma mudança nas viagens. Com a vacina, as pessoas pretendem viajar. Menos de 13% dos respondentes disseram que não têm esse plano. Outros 16% falaram acreditar que ainda levarão ao menos 1 ano para poder voltar com a prática.

Esses números indicam que cerca de 70% (ou seja, mais de 2/3) dos entrevistados acreditam que poderão viajar em breve.

O setor turístico foi um dos mais afetados pela pandemia por causa das restrições de deslocamento somadas ao fechamento de diversos destinos para evitar aglomerações. 

O valor elevado do dólar foi apontado pela FecomercioSP como fator importante para a retomada do turismo doméstico. Com valores elevados da moeda estrangeira, tende a aumentar a procura por viagens nacionais.

Evite cair em furadas ao comprar pela internet

Mulher com tranças afro no cabelo e blusa cinza sentada à frente de yma mesa de madeira olha para um notebook que está sobre o móvel, onde há ainda papéis e uma xícara de café; ao fundo, aparecem uma parte de um sofá cinza, uma prateleira de madeira com livros e plantas, além de um suporte com um vaso de plantas à direita da mulher e a janela de uma sacada

O aumento das vendas pela internet também eleva a chance de haver “furadas” nas compras. O primeiro passo para evitar golpes é prestar atenção ao site que você está acessando. Observe bem a URL, que é o nome técnico dado a endereços de internet — aqueles que começam com “http”.

Outra dica importante é observar se existe a imagem do cadeado ao lado do endereço da empresa. Normalmente, os sites seguros têm um certificado de segurança, o que os sites criados para golpes não têm.

O site da Serasa tem uma espécie de cartilha que ajuda você a tomar cuidados para evitar problemas em compras online. Extraímos de lá algumas dicas:

  • Procure no site que oferece a promoção as informações de contato, como telefone, email, redes sociais e chat. Pergunte se a promoção existe. Lembre-se: dados roubados são uma dor de cabeça enorme.

  • Fique de olho na certificação digital. Além disso, lembra o Serasa, observe se o endereço do site começa com “https” e não apenas “http”. Isso também é um indicador de segurança.

  • Preste atenção à qualidade dos textos. Sites de golpistas costumam cometer erros de português que sites de empresas não cometem.

  • Leia a política do site. “Você conhecerá não só suas medidas de segurança como também seu sistema de trocas e devolução”, alerta o Serasa. 

  • Fuja de promoções mirabolantes. É aquele velho ditado: quando a esmola é muita, o santo desconfia. Então, quando os cupons forem muito vantajosos, cuidado. Eles podem ser apenas iscas para um golpe.

Para suas compras online, use um dos cartões de crédito do PAN. Conforme o modelo, você pode ter anuidade grátis, cashback e outros benefícios. E ainda controla seus gastos diretamente no aplicativo.