WhatsApp recua e vai manter funções a quem não aceitar nova política

Aplicativo diz que enviará mensagens de tempos em tempos a usuários que não aderiram a política de privacidade

Controle
Seus Gastos
Por Rodrigo Chiodi

O WhatsApp desistiu, ao menos por enquanto, de limitar as funções dos usuários que não aceitarem suas novas políticas de privacidade. A informação consta em um comunicado do aplicativo.

Em lugar de limitar as funcionalidades, o WhatsApp informou que “continuará lembrando os usuários de tempos em tempos para que eles aceitem a atualização” com as novas políticas do aplicativo.

Leia a íntegra do comunicado, que também foi enviado ao Blog Amigo do Dinheiro:

“Dada a recente discussão com diversas autoridades e especialistas em privacidade, o WhatsApp gostaria de esclarecer que não limitará as funcionalidades do aplicativo para aqueles que ainda não aceitaram a atualização da Política de Privacidade. Ao invés disso, o WhatsApp continuará lembrando os usuários de tempos em tempos para que eles aceitem a atualização, incluindo quando as pessoas escolhem usar determinadas funcionalidades opcionais, como se comunicar no WhatsApp com uma empresa que esteja recebendo suporte do Facebook. O WhatsApp espera que esta abordagem reforce a possibilidade que todos os usuários têm de querer, ou não, interagir com uma empresa no aplicativo”.

App havia dito que cortaria funções

02_mobile_interna_whatsapp.png

 

A informação do comunicado é diferente daquela divulgada pelo aplicativo antes, sobre regras que passariam a valer no último dia 15. Naquela ocasião, o WhatsApp disse que limitaria o uso da ferramenta. 

A data limite para aceitar os novos Termos de Serviço e Política de Privacidade era 15 de maio. A partir de então, o que ocorreria seria o seguinte: 

  • Durante semanas depois da atualização, o WhatsApp exibiria notificações como lembrete para que usuários aceitassem as novas regras. Ao mesmo tempo, recursos seriam limitados;

  • Usuários não poderiam acessar a lista de conversas, apenas atender chamadas de voz e vídeo. As conversas poderiam ser acessadas apenas pelas notificações da tela do celular;

  • Depois de “algumas semanas de uso limitado dos recursos”, o WhatsApp informava que não seria mais possível receber chamadas e notificações. “O WhatsApp não enviará mais mensagens e chamadas para seu celular”, dizia a empresa.

As mudanças ocorreriam em meio a discussões sobre privacidade de dados e segurança. 

Órgãos públicos brasileiros, como o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), a ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados), a Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça) e o MPF (Ministério Público Federal) pediram que essas mudanças fossem adiadas para analisarem se as novas regras prejudicariam os usuários, segundo a Agência Brasil.

Vale lembrar, por exemplo, que golpes no WhatsApp não são difíceis de acontecer e podem levantar dúvidas sobre a segurança do aplicativo em relação às informações de quem o usa.

As mudanças ocorreriam dias depois do lançamento da função de pagamento no aplicativo.

Com a nova informação, não haverá, por ora, limitação de funções para quem não aderiu à política de privacidade da empresa.