7 dicas para negociar dívidas e começar a sair do vermelho

É mais fácil do que parece e muito importante para o orçamento. Veja como negociar dívidas

Zero
Dívida
Por Rodrigo Chiodi

Quando falamos em endividamento, muita gente ainda não sabe como negociar dívidas e começar a sair do vermelho. Mesmo que o seu caso pareça difícil de ser resolvido, é possível, sim, renegociar e melhorar a sua situação financeira.

Quem negocia dívidas consegue se planejar melhor financeiramente e, dessa forma, ter uma relação mais positiva com dinheiro, seja por contar com reservas de emergência, seja por conseguir usar o dinheiro para alcançar objetivos e realizar sonhos. 

Acredite: é possível sair do vermelho e ficar com zero dívidas ou, pelo menos, ter tudo sob seu controle, sem sacrificar boa parte do orçamento. Veja como negociar suas dívidas e, dessa forma, aumentar a sua liberdade financeira!

Por que você deve pensar em como negociar suas dívidas?

O endividamento é a realidade de muitas pessoas no Brasil: em 2020, o número de endividados no país chegou ao maior patamar em 11 anos, com 66,5% das famílias com dívidas. E as famílias inadimplentes (que são aquelas com contas ou dívidas em atraso), chegaram a 25,5% no ano passado. Os dados são da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Porém, o problema é quando as dívidas começam a limitar a vida de quem está devendo, seja por causa de juros que comem o orçamento, seja porque todos os rendimentos acabam sendo usados para quitar (ou tentar quitar) as dívidas. 

E, muitas vezes, o valor do endividamento só cresce, o que reduz o poder de compra e as chances de juntar dinheiro ou de ter uma reserva financeira para algum imprevisto.

Por isso, é muito importante negociar suas dívidas para verificar como você pode diminuir o peso delas no seu bolso, ou mesmo se livrar desse problema. Veja algumas dicas.

7 dicas sobre como negociar dívidas

Casal de costas sentado à frente de um guichê conversa com homem de óculos do outro lado da mesa

  1. Saiba o total da dívida

Você sabe qual é o total  das dívidas que possui? Quantas são e em quais instituições elas estão? São dívidas nas quais correm juros altos, como é o caso do cheque especial?

É muito importante que você saiba qual é o tamanho de suas dívidas, para ter uma dimensão mais clara do problema e, assim, começar a resolvê-lo de uma vez por todas. 

Veja os valores, os juros, as condições de pagamento e tudo mais em relação a cada uma das suas dívidas, pois esse é o mapeamento que vai ajudar você a tomar boas decisões para quitar esses débitos.

  1. Entenda seus ganhos e gastos

Qual é a sua renda mensal? Você possui só ganhos fixos, ou também têm renda extra? E quanto você gasta todo mês, e com o que gasta (Supermercado? Roupas? Com a casa?).

Entender quanto você ganha e o quanto gasta ajuda a saber quanto dinheiro pode separar para quitar as dívidas. Dessa forma, você não compromete o orçamento na tentativa de pagar os débitos.

Mesmo com endividamento, você ainda precisa pagar as suas despesas, como contas, compras ou aluguel. Então, veja quanto dos seus ganhos você pode separar para quitar as dívidas sem prejudicar a sua vida financeira e ainda manter o padrão de vida.

  1. Veja as condições de cada dívida

É muito importante saber não apenas o valor de cada dívida, mas também quais são as condições de cada uma. O ideal é priorizar o pagamento das dívidas que possuem juros mais altos, para evitar a famosa “bola de neve” que apenas aumenta o rombo no seu orçamento. 

Veja também quais são as dívidas que têm mais quantidade de parcelas, para antecipar os pagamentos se possível. Também é importante avaliar quais as dívidas mais urgentes (aquelas que podem, por exemplo, gerar uma execução fiscal) ou mesmo débitos relacionados a contas básicas (água, luz, aluguel etc.).

  1. Faça a sua proposta

Muitas empresas estão dispostas a aceitar propostas de negociação de dívidas, pois é mais interessante receber o pagamento de uma parte da dívida do que ficar com ela em aberto. 

Por isso, pode ser uma boa alternativa você procurar a empresa para negociar, antes que a situação fique mais grave (como, por exemplo, se o seu nome for para o serviço de proteção ao crédito). 

A empresa pode aceitar a forma de pagamento que você propuser ou até aplicar um desconto no pagamento. Afinal, para a empresa, é melhor receber o pagamento de uma dívida com desconto do que não receber nada!

  1. Feirão para limpar o nome

Os feirões para limpar o nome são uma boa chance de negociar dívidas e encontrar melhores condições de pagamento. Em alguns casos, os descontos podem chegar a 90%!

Dessa forma, você quita dívidas e consegue ter mais folga no orçamento. Então, sempre veja se a empresa com a qual você tem dívida não está participando de um feirão desse tipo.

  1. Use a portabilidade de crédito

Caso a negociação com uma instituição financeira não esteja dando certo, você pode pedir a portabilidade de crédito para outra empresa que ofereça condições melhores de pagamento. Essa é uma forma de  fugir de juros altos ou de condições de pagamentos que não são favoráveis para você.

  1. Busque especialistas em renegociação

Muitas empresas são especializadas em renegociar dívidas e podem ser suas aliadas nesse momento. Com a ajuda delas, você tem acesso a descontos, negociação diretamente com a instituição financeira e outras facilidades que ajudam na renegociação. 

Mulher de óculos sentada à frente de um balcão mexe em um notebook e segura uma xícara com a mão direita

Viu como negociar suas dívidas é possível? E sabia que é possível negociar e ainda aproveitar descontos especiais, de forma prática e 100% online? Acesse agora o Renegocie PAN e aproveite!