7 a cada 10 jovens acreditam que trabalho remoto pode dificultar crescimento profissional

Apesar disso, grande parte deles quer manter o trabalho remoto ou, pelo menos, híbrido

Controle
Seus Gastos
Por Redacao PAN

A cada 10 jovens da geração Z (com idades entre 16 e 24 anos), 7 acreditam que o trabalho remoto (home office) pode impactar negativamente o seu crescimento na carreira. É isso o que mostra uma pesquisa realizada pela rede social Linkedin, focada no mercado de trabalho. 

O levantamento é um recorte de uma pesquisa realizada com 1.000 respondentes na primeira metade de agosto, que mostrou que 90% dos trabalhadores acreditam ser importante a exigência da vacinação contra o coronavírus para a volta ao trabalho. 

Neste recorte, um dos principais motivos apontados pelos jovens para dizer que o trabalho remoto deve impactar o crescimento profissional é a falta de contato presencial com seus colegas mais experientes. 

A falta de contato presencial com seus líderes diretos e colegas de equipe mais experientes foi apontada por 43% das pessoas que responderam ao levantamento. 

A dificuldade de aprender com esses mesmos profissionais à distância veio logo em seguida, sendo apontada por 31% dos respondentes.

Mais da metade (53%) dos entrevistados também acreditam que há um estigma negativo associado ao trabalho remoto.

Apesar de grande parte desses jovens profissionais acreditar que o trabalho remoto pode prejudicar sua evolução na carreira, 38% deles preferem um modelo híbrido de trabalho, com uma parte do tempo em casa e outra parte num escritório ou ambiente presencial. Já 27% dos respondentes preferem um trabalho totalmente remoto. 

Desses jovens profissionais, 72% sentem que a pandemia prejudicou o aprendizado de habilidades comportamentais. 

Veja abaixo quais dessas habilidades esses jovens profissionais acham mais importantes no ambiente de trabalho:

  • Comunicação (62%)

  • Inteligência emocional (48%)

  • Aprendizado contínuo (30%)

  • Resolução de problemas (30%)

  • Adaptabilidade (28%)

O que procuram os recrutadores
Uma mulher de máscara com uma caneta na mão parece fazer anotações num caderno enquanto olha para uma pessoa que gesticula, do outro lado da mesa. Pelos trajes das pessoas, parece ser uma entrevista de emprego. 

Veja abaixo quais os fatores mais importantes que são analisados pelos recrutadores na hora de selecionar um trabalhador, de acordo com pesquisa feita pela Robert Half, empresa de consultoria de recursos humanos:

  • Experiência prévia do candidato (88%)

  • Aderência com a cultura organizacional (62%)

  • Formação acadêmica do candidato (36%)

  • Ser indicado por pessoas relevantes no mercado ou na academia (31%)

  • Expectativa salarial e seu enquadramento com as tabelas da empresa (26%)

  • Candidatos que estejam trabalhando em outras empresas do setor (19%)

  • Ser indicado por pessoas da empresa (17%)

  • Disponibilidade geográfica (11%)

  • Disponibilidade para início do contrato (5%)

  • Outro (5%).

Veja ainda alguns erros comuns na hora de fazer uma entrevista de emprego para ficar mais bem preparado quando você tiver que fazer uma, seja presencial ou virtual. 

Aproveite ainda para conhecer 10 sites de busca de emprego!