Com mais de 100 milhões de usuários, PIX completa 1 ano em atividade

Sistema de pagamentos perde apenas para cartões e boletos na preferência dos brasileiros

Controle
Seus Gastos
Por Redacao PAN

O popular sistema de pagamentos instantâneos PIX completa 1 ano de implementação nesta terça-feira (16) com mais de 100 milhões de usuários. Com ele, é possível fazer transferências 24 horas por dia e 7 dias por semana, diretamente de seu celular.

Uma das principais facilidades do PIX é poder usar uma chave para a transferência, sem precisar mais de todos os dados, como agência, conta e CPF ou CNPJ. Ao final de outubro, havia mais de 348 milhões de chaves cadastradas, segundo o BACEN.

O procedimento, portanto, é muito mais simples do que as antigas transferências, nas quais era necessário obter uma série de informações da outra pessoa ou empresa.

Essa praticidade levou o PIX a ser o meio preferido dos brasileiros para fazer transferências e, ao final do 2º trimestre, perdia apenas para os cartões e para boletos como meio de pagamento mais usado pelos brasileiros, segundo o Banco Central (BACEN).

No final do 2º trimestre, o PIX respondia por 12,7% do total de transações de pagamento do país. Boletos eram 14,9%, cartões de crédito, 20,67%, e cartões de débito, 21,06%.

Veja abaixo alguns dados do PIX em 1 ano de operação, de acordo com o Banco Central:

Como cadastrar uma chave PIX 

Uma mulher sorri enquanto olha para o celular que segura com as duas mãos. Ela é negra, usa blusa branca e tranças no cabelo , que é comprido. Na imagem, aparecem ainda dois círculos azuis com o contorno do rosto de uma pessoa e um QR code nesses círculos.

A chave é apenas o “apelido” usado para direcionar os pagamentos do PIX para a sua agência e conta bancária. Por exemplo, aqui no PAN, você poderá cadastrar como chave os dados:

  • CPF;

  • E-mail;

  • Número de telefone celular;

  • Uma sequência de números aleatória, gerada pelo sistema automaticamente.

Feito isso, você poderá usar o PIX para receber valores por meio de uma ou mais chaves. Podem ser até cinco chaves para cada pessoa física.

Banco Central aprimora PIX com medidas de segurança 

Imagem mostra a mão de uma pessoa segurando um celular, cuja tela mostra um QR code. A imagem ainda tem dois símbolos de segurança, com QR Code dentro deles, dando a entender que se trata de uma operação segura sendo feita pelo celular

Com a popularização do PIX, houve também a necessidade de estabelecer alguns limites para a segurança dos usuários. Por isso, desde 4 de outubro, entraram em vigor limites noturnos de transferências.

Esses limites foram estabelecidos pelo Banco Central, pela instrução normativa 160. Com a nova regra, as operações entre pessoas físicas (incluindo MEIs) utilizando meios de pagamento em arranjos de transferência no período noturno (das 20h às 6h), incluindo transferências intrabancárias, PIX, cartões de débito e liquidação de TEDs, ficaram limitados a R$ 1.000.  

Em breve, todas as instituições financeiras ainda vão disponibilizar o Mecanismo Especial de Devolução, que agilizará o ressarcimento ao usuário vítima de fraude ou de falha operacional das próprias instituições.

Todas essas medidas têm o objetivo de tornar o PIX ainda mais seguro.

Mas a praticidade do instrumento fez com que surgissem golpes pedindo transferências via PIX. Veja alguns deles e clique em cima de cada um para ver como funcionam e como se prevenir:

Início do PIX Saque e PIX Troco

No final deste mês, mais precisamente dia 29 de novembro, entram em operação o PIX Saque e o PIX Troco.

Com o PIX Saque, os clientes de qualquer instituição que participe do PIX poderão sacar dinheiro em espécie nos pontos que oferecerem o serviço. Podem ser, por exemplo, lojas, padarias, supermercados e outros estabelecimentos comerciais.

Com ele, o cliente precisará apenas fazer um PIX para o estabelecimento a partir da leitura de um QR Code mostrado ao cliente ou a partir do aplicativo do prestador do serviço e, em seguida, receberá o valor em espécie. 

No PIX Troco, o funcionamento é praticamente idêntico. A diferença é que o saque de recursos em espécie pode ser realizado durante o pagamento de uma compra no estabelecimento.  Neste caso, o PIX é feito pelo valor total (compra + saque). No extrato do cliente aparecerá o valor correspondente ao saque e ao valor da compra.

É bom lembrar que a oferta do PIX Saque e do PIX Troco é opcional para os estabelecimentos comerciais e às empresas proprietárias de redes de autoatendimento, assim como para as instituições financeiras que possuem seus próprios terminais de autoatendimento. 

Além disso, haverá um limite máximo para as transações do PIX Saque e do PIX Troco. Será de R$ 500 durante o dia e de R$ 100 à noite, das 20h às 6h.